Pesquisar este blog

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Câncer de mama: prevenção e detecção precoce são indispensáveis



Mesmo com todas as informações e tratamentos disponíveis, a doença ainda leva à morte mais de 14 mil mulheres todos os anos

O câncer de mama é o tipo de câncer mais comum entre as mulheres no Brasil e no mundo. Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), a doença fica atrás, apenas, do câncer de pele não melanoma, respondendo por cerca de 25% dos casos novos de câncer a cada ano. 

A incidência do câncer de mama antes dos 35 anos de idade é rara, mas aumenta progressivamente após esta idade, atingindo, na maioria dos casos, mulheres acima de 50 anos. Há vários tipos de câncer de mama, com diferentes evoluções e prognósticos. Em comum, todos eles têm mais chances de cura quando o diagnóstico é realizado precocemente. 

Segundo o INCA, até o final de 2016 serão quase 58 mil casos novos no Brasil e pouco mais de 14 mil mortes decorrentes da doença.

Diagnóstico
Hoje em dia, há diversos métodos para o rastreamento do câncer de mama; a mamografia é o principal deles. 

"Temos também o ultrassom como ferramenta importante para ajudar na detecção, principalmente em mulheres jovens e com mamas muito densas", revela a Dra. Leynalze Lins Ramos dos Santos, especialista em diagnóstico por imagem - ultrassonografia geral pelo Colégio Brasileiro de Radiologia e mestre em Radiologia Clínica pela Universidade Federal de São Paulo. 

A especialista explica que, com o passar da idade, o tecido glandular é substituído por gordura. A mamografia é indicada em pacientes com bastante gordura, enquanto nas mais jovens, com predominância de tecido glandular, o nódulo terá a mesma tonalidade do tecido glandular na mamografia, tornando-se mais difícil de visualizar. 

"Nestas pacientes mais jovens, a visualização de um possível nódulo torna-se mais fácil na ultrassonografia, pois a glândula aparece branca e o nódulo preto. As microcalcificações, estágio precoce do câncer de de mama, podem ser identificadas na mamografia."

Assim, em muitos casos poderá ser solicitado que a paciente realize os dois exames, que acabam se complementando. 

Segundo a Dra. Leynalze, outro exame que pode ser muito importante é a tomossíntese, especialmente em casos de mamas muito densas. O exame consegue realizar cortes nos locais onde há suspeita de nódulo, como se 'fatiasse o nódulo'. 

"Um estudo realizado na Ásia, no ano passado, associou a mamografia digital à tomossíntese e ultrassonografia e comparou os resultados aos da ressonância magnética, atualmente utilizada para fazer um planejamento cirúrgico. A combinação destes três exames não apenas aumentou a sensibilidade para a detecção do câncer de mama precoce, mas também representou uma redução de custo, visto que a ressonância é um método de diagnóstico muito caro."

Hereditariedade e prevenção
O câncer hereditário de mama ou ovário responde por 5 a 10% de todos os casos, afirma o Dr. Thomaz Gollop, Professor Associado de Ginecologia da Faculdade de Medicina de Jundiaí. Por este motivo, é muito importante que se conheça a história destes casos familiar. 

Para estes casos, já estão disponíveis no Brasil - e incluídos no Rol de Procedimentos obrigatórios dos planos de saúde desde 2013 - exames genéticos para detecção de câncer de mama e ovário hereditários. 

"O estudo genético dos indivíduos em risco é indicado quando há risco genético definido em consulta de aconselhamento genético. Devem ser estudados pacientes acima de 18 anos."

Esta idade, explica o especialista, é estabelecida pois apenas maiores de idade devem entender como lidar com resultados que identifiquem eventuais genes que predisponham ao câncer herdado de mama/ovário. 

"Na prática, entretanto, estes exames são realizados em pacientes acima de 35 anos, quando, na maioria dos casos, já se encerrou o período reprodutivo."

Quando confirmada a predisposição por meio dos exames, há que ser discutida a possibilidade de cirurgias preventivas ou tratamento quimioterápico.

Foi esta confirmação que levou a atriz Angelina Jolie, em 2013, a optar pela mastectomia, cirurgia para a retirada das mamas e, em 2015, também os ovários. A notícia gerou muita polêmica.
"Acredito que críticas surgiram por parte de pessoas desinformadas. O risco estabelecido para ela, em função da presença de mutação e da historia familial era alto e ela decidiu pela melhor forma de preservação de sua saúde", conclui o Dr. Thomaz.

A mamografia
Em geral, a indicação é realizar o primeiro exame de mamografia até os 40 anos de idade, e após isso, se não houver nenhuma suspeita, repetir anualmente. No caso de mulheres com histórico de câncer familiar, especialmente em parentes próximos, como mãe, avós ou tias, a mamografia deve ser realizada 10 anos antes da idade em que o familiar teve a doença, e repeti-lo também anualmente, ao longo de toda a vida, ou conforme a orientação de um especialista. 

E para quem acha o exame desconfortável, dolorido, a Dra. Leynalze explica.
"Dói, mas é rápido. Quanto mais o profissional que estiver realizando o exame apertar o equipamento, menos sobreposição de tecidos glandulares haverá, melhorando a visualização. Além disso, quanto mais comprimida a mama estiver, menor quantidade de radiação será necessária."

Vale destacar que a mamografia, comparativamente com um raio-x, tem quantidade muito menor de radiação. Por este motivo, não oferece risco e pode realizada anualmente.

Evolução cirúrgica do tratamento
O americano William Halstead foi o primeiro médico cirurgião a padronizar o tratamento do câncer de mama, há mais de 100 anos. Na época, a primeira forma de se tratar a doença era por meio da retirada de toda a mama, incluindo glândula mamária, aréola, papila, gânglios axilares e também músculos peitorais. Este método era bastante agressivo, deixando a paciente com uma grande deformidade. 

Com o decorrer dos anos, explica o Dr. Arnaldo Urbano Ruiz,  titular do Colégio Brasileiro de Cirurgiões e médico cirurgião oncológico dos hospitais São José e São Joaquim da Real e Benemérita Beneficência Portuguesa de São Paulo, percebeu-se que nem sempre era necessária tamanha mutilação. 

"Nos anos 50, um cirurgião chamado David Patey aperfeiçoou a mastectomia de Halstead, passando a preservar o músculo peitoral maior, mas ainda retirando os gânglios embaixo do braço. Isso trouxe uma melhor qualidade de vida às pacientes."

A próxima grande inovação surgiu somente duas décadas mais tarde, quando o Dr. Umberto Veronesi, na Itália, inovou no tratamento cirúrgico do câncer de mama. O cirurgião comparou os resultados de pacientes submetidas à cirurgia tradicional da época a outras nas quais retirava-se apenas um pedaço da mama (chamada de quadrantectomia), associada à radioterapia. 

"Com os resultados dos dois grupos semelhantes, o novo tratamento, chamado conservador, passou a ser realizado em mulheres que, até então, estavam fadadas à retirada de toda a mama."

Já nos anos 80, o grande destaque foi o desenvolvimento da reconstrução mamária, tanto na mastectomia quanto na quadrantectomia, ou seja, a paciente não ficava com a sequela de uma mama muito disforme em relação a outra, ou ainda sem a mama.

"Além dos efeitos estéticos, estas mulheres poderiam desencadear problemas físicos, pois conforme o tamanho da mama perdida, o eixo do corpo era desviado, acarretando problemas na coluna." 

O próximo grande avanço foi a pesquisa do linfonodo sentinela, encabeçada pelo Dr. Armando Giuliano, nos Estados Unidos, e pelo Dr. Veronesi, na Itália. Ao perceber que grande parte dos linfonodos provenientes do esvaziamento axilar eram negativos, ou seja, poucas pacientes tinham linfonodos acometidos, foi desenvolvido o conceito de linfonodo sentinela, que é o primeiro linfonodo a receber células malignas oriundas de um câncer através da circulação linfática. 

"As condições do linfonodo sentinela indicam o estado dos demais linfonodos da região afetada. Assim, hoje, a pesquisa do linfonodo sentinela entrou no arsenal terapêutico e nos permite oferecer à paciente com câncer de mama uma cirurgia conservadora, preservando-se muitas vezes o complexo aréolo papilar, um quadrante ou mesmo uma mastectomia com reconstrução imediata, conforme cada caso."




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Posts mais acessados