Pesquisar Blog Jornal da Mulher

quinta-feira, 30 de junho de 2016

PESQUISA FEITA POR CAREFREE® REVELA QUE FALAR SOBRE HIGIENE ÍNTIMA É UM TABU ENTRE AS MULHERES



Realizada pelo IBOPE1 Inteligência, a pesquisa tem como objetivo entender os hábitos das mulheres quando o assunto é higiene íntima

CAREFREE®, marca líder em protetores diários de calcinha da Johnson & Johnson, realizou uma pesquisa, por meio do IBOPE Inteligência, para desvendar como as mulheres lidam com as questões de higiene íntima.


O levantamento¹, feito com mais de 1050 mulheres de 142 municípios brasileiros, com idade acima de 16 anos, revelou que, apesar de 75% das entrevistadas concordarem que o cuidado com a área íntima também faz parte de estar bem consigo mesma, a conversa sobre questões relacionadas à higiene íntima é tratada com desconforto entre elas: 50% concordaram que falar sobre corrimento e umidade ainda é tabu para a maioria das pessoas.

Com relação aos desconfortos relacionados à higiene da área íntima, a pesquisa identificou que 38% das mulheres participantes desse estudo concordaram que sentem maior transpiração da região quando têm um dia cheio de atividades e 40% maior desconforto em dias mais quentes. Além disso, 31% das entrevistadas informaram sentir –se muito incomodadas com a umidade na calcinha em alguns dias do mês.

“Na região da virilha, por exemplo, assim como nas axilas, existem glândulas produtoras de suor. O acúmulo de secreção vaginal do dia, junto com odores e a umidade causados pela transpiração, ambos processos naturais e saudáveis do corpo, podem vir a gerar desconforto na mulher. O que percebo é que, para muitas mulheres, falar sobre a própria região íntima ainda é um tabu”, revela a Dra. Carolina Ambrogini, ginecologista, obstetra e sexóloga.

Para solucionar os desconfortos relacionados à umidade natural da região íntima, 36% das entrevistadas afirmaram que levam uma calcinha extra na bolsa diariamente, assim podem trocá-la e se sentir mais limpa e confortável, mais da metade (52%) concorda que já tomou um segundo banho no mesmo dia para sentir a região íntima mais limpa e 40% concordam que a troca do protetor diário oferece a mesma sensação de uma troca de calcinha.

“Quanto mais a mulher conhece o seu corpo, mais bem-estar ela encontra, além de poder saber quando algo está errado. É comum que as mulheres sintam um desconforto maior com a umidade em alguns períodos do mês, como, por exemplo, logo após a menstruação ou durante a ovulação. Quando isso afeta o seu dia a dia, ela pode buscar soluções seguras para ter mais conforto”, afirma a ginecologista.

Benefícios do protetor diário respirável para o dia a dia:
O uso do protetor diário é uma das opções para que as mulheres possam se sentir frescas ao longo do dia, já que o produto possui uma camada respirável.

Um estudo realizado pelo Departamento de Ginecologia da Unicamp2 acompanhou mulheres que usaram protetores respiráveis externos no período intermenstrual durante 75 dias e comprovou que 90,7% delas sentiram-se mais seguras, confiantes e limpas com a utilização diária do protetor, sem apresentar alterações clínicas na flora genital, infecções ou desconfortos, comprovando a segurança do uso do protetor diário.



Portfólio de CAREFREE®:
CAREFREE® TODODIA e TODODIA Flexi: Ideal para mulheres que buscam praticidade e conforto durante todo o dia, são feitos com material respirável, que permite a circulação de ar na região íntima, e pode ser usado diariamente para absorver a transpiração e neutralizar os odores naturais da área íntima.


CAREFREE® Proteção: para o começo e o final de menstruação existe a versão proteção que conta com uma película protetora para reter fluxos leves.




Referências:
¹ Pesquisa Ibope Inteligência: Realizada entre os dias 16 e 20 de abril de 2016, com 1050 mulheres, distribuídas entre todas as regiões do Brasil. A margem de erro estimada é de 3 pontos percentuais.
². Amaral RLG et al. Grau de Satisfação de Mulheres que Usaram Absorvente Higiênico “Respirável” Externo por 75 Dias Consecutivos. DST - J Bras Doenças Sex Transm 2011; 23(1): 29-33.

Sobre CAREFREE® (www.carefree.com.br)
CAREFREE® foi criado em 1966 nos Estados Unidos e chegou ao Brasil em 1978. Foi o primeiro protetor diário de calcinha do mercado brasileiro e, desde então, vem sendo a escolha certa para as mulheres que possuem uma rotina cheia de atividades e que desejam manter-se frescas e confiantes o dia todo, todos os dias. CAREFREE® entende sua importância de líder no segmento de protetor diário e acredita que tem o papel de romper barreiras e estimular a autoconfiança entre o público feminino e, por isso, aposta em ações para fomentar o debate desses temas. Para saber mais, acesse os canais de CAREFREE® nas redes sociais: facebook.com/carefreebrasile www.youtube.com/channel/UC-B3X0a_m7ky8n6lifGgbNw

Toujeo nova insulina de ação prolongada é mais uma opção para o tratamento de diabetes




A Sanofi acaba de lançar no Brasil a Toujeo, insulina glargina de última geração para o tratamento do diabetes mellitus tipo 1 e tipo 2 em adultos. Toujeo chega ao mercado em solução injetável (300U?mL), com aplicação via caneta descartável (Solostr®), oferenc a pacientes e médicos uma nova opção para controlar a doença.
Toujeo proporciona ação estável e prolongada além de 24 horas, permitindo o controle glicêmico desses pacientes.
Segundo os estudos clínicos EDITION, Toujeo reduz as ocorrências de hipoglicemia durante o dia e também a noite. O estudo foi realizado com uma amostra de 3500 indivíduos.
Manter a glicemia basal controlada no indivíduo torna-se essencial para prevenir casos como:
  • Aumento de peso;
  • Risco cardiovascular;
  • Problemas cognitivos;
  • Demência;
  • Depressão;
  • Neuropatia diabética a longo prazo.
Para viver bem com o diabetes, o primeiro passo é aceitar a enfermidade. Segundo a endocrinologista Denise Franco, pesquisadora do Centro de Pesquisas Clinicas (CPClin) e coordenadora do departamento de Novas Terapias da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD) lembra que  diversas são as questões que exigem adaptações no dia a dia, como o controle da glicemia, alimentação balanceada, pratica de atividade física regular me, principalmente, o uso de uma medicação de forma continua.

Fonte: Sanofi

JULHO VERDE - CAMPANHA DE PREVENÇÃO DE CÂNCER DE CABEÇA E PESCOÇO




Aumenta a incidência de casos de tumores de cabeça e pescoço
causados pelo HPV

 Entidades de saúde que se dedicam às pesquisas a respeito dos tumores de cabeça e pescoço se mobilizam para a conscientização dos diferentes cânceres dessa região. A campanha é conhecida mundialmente como Julho Verde. Até bem pouco tempo, esses tipos de tumores - língua, céu da boca, faringe, laringe e amígdala - eram mais comuns entre homens com mais de 50 anos, fumantes e consumidores de bebidas alcoólicas.

Porém, nos últimos anos, estão sendo diagnosticados em pessoas mais jovens, entre 30 e 45 anos. Estudos publicados em todo o mundo identificaram um dos principais agentes causador: o papilomavírus humano, o HPV. O microrganismo tem sido o causador de infecções que facilitam a formação desses tumores. Estima-se que de 25% a 50% das mulheres e 50% dos homens estejam infectados pelo HPV em todo o mundo.

Estudos apontam que em casos de câncer de amídala a incidência do HPV cresceu de 25%, registrados há 20 anos, para 80% nos dois últimos anos. Outras pesquisas revelaram que 32% dos casos de câncer de boca em jovens adultos eram em portadores do vírus HPV. O fato do HPV estar sendo associado a tumores na região da cabeça e do pescoço se deve possivelmente a práticas sexuais, nesses casos principalmente sexo oral. “O HPV é transmitido pelo contato direto com a pele infectada e, muitas vezes, pode se esconder em áreas não cobertas pelo preservativo. A falta de higiene íntima e bucal aumenta o risco de transmissão do vírus e de desenvolvimento de tumores na região bucal”, diz o médico cirurgião de Cabeça e Pescoço, Dr. Erivelto Volpi, também um dos coordenadores internacionais do Julho Verde pela  International Federation of Head and Neck Oncologic Societies.

No Brasil, as estimativas do INCA – Instituto Nacional do Câncer mostram o aumento da incidência de câncer de cavidade oral e laringe em todas as regiões do Brasil. O consumo de cigarro e de álcool ainda são as principais causas dos cânceres e, nesses casos, os tumores levam de 15 a 30 anos para surgir, mas no caso do HPV a doença aparece em menor espaço de tempo.

Os sintomas mais comuns são verrugas que podem aparecer na garganta ou na boca, dificuldade para mastigar, rouquidão, dor na língua e mau hálito constante. A vacinação é a melhor forma de se prevenir. Sexo seguro, alimentação balanceada, não fumar, não ingerir bebidas alcoólicas e uma boa higiene oral também são formas de prevenção.

Sobre Câncer de Cabeça e Pescoço - O câncer de cabeça e pescoço é a quinta neoplasia mais comum no mundo. A incidência global chega a 780 mil novos casos por ano. Segundo estudo realizado pelo INCA - Instituto Nacional do Câncer, em 2015 foram registrados no Brasil 11.280 novos casos de câncer de cavidade oral em homens e 4.010 em mulheres, além de 6.870 casos de câncer de laringe em homens e 770 em mulheres. O câncer de cabeça e pescoço pode atingir boca, garganta, laringe (cordas vocais), nariz, seios nasais e ao redor dos olhos. O câncer de cavidade oral, conhecido como câncer de boca, já é o quarto tipo mais frequente entre homens das regiões Sudeste e Nordeste, sem considerar os tumores de pele não melanoma.
Um dos grandes desafios é a realização do diagnóstico precocemente, pois, segundo estudos do INCA - Instituto Nacional de Câncer, 70% das pessoas com câncer de cabeça e pescoço são diagnosticadas tardiamente. Isso porque os sintomas são geralmente vagos. Porém, é preciso ficar atento aos seguintes sinais:

• Câncer de seios nasais: feridas que não cicatrizam, sangramento nasal ou obstrução nasal.
• Câncer de nasofaringe: nódulos ou massas no pescoço em 90% dos casos; otites crônicas, cefaleia, alterações neurológicas.
• Câncer de cavidade oral: feridas ou elevações que não cicatrizam, alterações dentárias, dificuldade em fixar próteses dentárias.
• Câncer de laringe: rouquidão, tosse.
• Câncer de orofaringe: nódulos no pescoço, dificuldade de engolir alimentos, dor no ouvido.



Dr. Erivelto Volpi – membro do comitê internacional da Campanha Mundial do Câncer de Cabeça e Pescoço (Julho Verde), da International Federation of Head and Neck Oncologic Societies. Dr. Erivelto é médico da Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço da FMUSP e cirurgião de cabeça e pescoço do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.