Pesquisar este blog

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Campanha contra a paralisia infantil termina segunda-feira em SP




Pouco mais da metade do público-alvo recebeu a vacina até o momento; meta é imunizar 2,3 milhões de crianças contra a poliomielite em todo o Estado 
            
A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo encerra na próxima segunda-feira, dia 31 de agosto, a campanha de vacinação contra a paralisia infantil no Estado.
Pais de crianças entre seis meses e cinco anos incompletos devem levar seus filhos para receber as duas gotas da vacina Sabin em uma das 4,3 mil salas de vacina disponíveis.
Até o momento, 1,4 milhão de doses foram aplicadas em todo o Estado. A meta é vacinar 2,3 milhões de criança, o que representa 95% do público-alvo (veja dados regionais abaixo).
São Paulo não registra nenhum caso de poliomielite há 27 anos. No entanto, o poliovírus selvagem ainda circula nos continentes africano e asiático, principalmente no Afeganistão e no Paquistão. Até julho deste ano, 34 casos de paralisia infantil foram registrados nesses dois países.
“A participação nessa campanha é fundamental para a prevenção contra a paralisia infantil e, assim, mantermos erradicada essa doença no Estado. Por isso, sugerimos aos pais e responsáveis que levem as crianças no posto de vacinação mais próximo de sua residência”, afirma a diretora de imunização da Secretaria, Helena Sato.
Além da dose contra a paralisia infantil, as crianças que forem levadas aos postos de saúde também poderão receber eventuais vacinas em atraso do calendário da rede pública. É fundamental levar a caderneta de vacinação.

Crianças entre seis meses e menores de cinco anos, por região do Estado
(* meta é imunizar 95% do total)
Regional
População total
Doses aplicadas
Capital
684.205
 311.659
Grande São Paulo
379.771
 209.990
Alto Tietê
186.337
 102.123
Araçatuba
38.857
 24.667
Araraquara
52.068
 32.364
Assis
26.067
 16.359
Barretos
22.816
 17.158
Bauru
94.653
 61.419
Campinas
240.371
 132.270
Franca
39.811
 23.837
Marília
32.504
 22.492
Piracicaba
81.620
 48.075
Presidente Prudente
39.673
 27.879
Vale do Ribeira
18.156
 11.395
Ribeirão Preto
77.941
 42.088
Baixada Santista
104.376
 68.445
São João da Boa Vista
42.212
 28.102
Vale do Paraíba
140.327
 75.945
São José do Rio Preto
76.709
 49.833
Sorocaba
140.773
 85.665




Associação Brasileira de Halitose promove palestras informativas gratuitas para prevenção e controle do mau hálito





A Associação Brasileira de Halitose (ABHA) lança campanha com o slogan "Mau Hálito: você precisa estar
bem informado", com o objetivo de promover a saúde, na qual dentistas qualificados no diagnóstico e tratamento da halitose conscientizam a população sobre o problema que atinge mais de 50 milhões de pessoas no Brasil. 
Para tanto, a ABHA disponibiliza membros associados em diversos locais do país para palestras gratuitas em espaços públicos e privados, alertando e informando a população sobre os transtornos que a halitose pode trazer e sobre as suas formas de prevenção e os cuidados bucais diários importantes para uma boa saúde.
A campanha inicia 22 de setembro, data em que se comemora o Dia Nacional de Combate ao Mau Hálito, e se estende até 25 de Outubro, dia nacional do Cirurgião-Dentista. Para verificar a disponibilidade de uma palestra informativa para seu espaço, entre em contato pelo e-mail abha@abha.org.br ou pelo telefone (84) 4141-0514.
Para Karyne Magalhães, Vice-presidente da ABHA, “conceder espaços para eventos desse tipo é uma atitude altruísta com foco no bem-estar social”.
A halitose pode estar relacionada a diversas origens, por isso, é necessária a identificação correta do agente causador, que pode ser desde higiene bucal inadequada, doenças bucais como cárie e inflamações gengivais, alterações na saliva (quantidade e composição), dietas restritivas e radicais, doenças sistêmicas, estresse, dentre outros fatores. Porém, segundo a Dra. Karyne, as pesquisas científicas apontam que mais de 80% das causas do problema são de origem bucal, o que, em caso de alteração no hálito, reforça a importância da avaliação por parte do cirurgião-dentista qualificado no diagnóstico da halitose.
“O mau hálito é um problema importante, pois interfere na autoestima e nas relações interpessoais, o que traz prejuízos importantes na qualidade de vida. A grande dificuldade é que, quem sofre da alteração geralmente não percebe, devido a um fenômeno denominado fadiga olfatória. Por isso, avisar a um amigo ou familiar que o seu hálito está ruim é uma prova de amor e de amizade. Porém, muitas pessoas consideram isso constrangedor. Devido a essa dificuldade, a ABHA desenvolveu o SOS Mau Hálito, um sistema de notificação que avisa a pessoa que ela tem o problema, que conta com algumas dicas e também com uma relação de profissionais qualificados de acordo com a cidade onde a pessoa reside”, ressalta a Cirurgiã-Dentista Karyne Magalhães. Basta acessar o site http://www.abha.org.br/sosmauhalito e preencher o formulário com os dados da pessoa que queremos avisar. Após conferir a notificação, para evitar brincadeiras de má fé, a ABHA envia à pessoa essas indicações, por e-mail ou por carta, sem identificar o solicitante do serviço.

1.8 bilhão de pessoas continuam bebendo água potável sem proteção contra a contaminação por fezes

No âmbito do Dia Mundial do Banheiro, a Fundação We Are Water, uma iniciativa da Roca, alerta para a falta de acesso de milhões de pe...