Pesquisar Blog Jornal da Mulher

terça-feira, 28 de julho de 2015

Famosos aderem à campanha #ruasemfrio no Instagram




Ação tem o objetivo de arrecadar doações de inverno para moradores de rua auxiliados pela ONG ARCAH



Ao longo desta semana, famosos como as atrizes Fernanda Souza e Paloma Bernardi, a blogger Juliana Issa e a modelo Daniella Novaes realizaram postagens em suas redes sociais com a hashtag #ruasemfrio, incentivando seus seguidores a doarem peças de inverno à campanha de mesmo nome.

Realizada pelo Shopping VillaLobos, em São Paulo, a campanha tem o objetivo de arrecadar agasalhos e cobertas à ONG ARCAH, associação que acolhe, capacita e emancipa moradores de rua.

Já os atores mirins da série “BUUU! Um chamado para a aventura!”, do canal Gloob, estiveram no empreendimento no último domingo, 26, para realizar suas doações e atenderam aos fãs que estavam no local.

Sobre a Campanha Rua Sem Frio
Até 05 de agosto o Shopping VillaLobos coleta peças de inverno para doação à ONG ARCAH. Durante esse período, para conscientizar seus visitantes sobre a importância da causa, o empreendimento também irá cobrir pilares, árvores, vasos e mobiliários espalhados por suas áreas internas e externas com Knit Graffiti (Grafite de Crochê). A Praça Por do Sol, localizada próxima ao empreendimento, também receberá elementos desta arte. Após a ação, todo o material utilizado nas intervenções urbanas será doado à ARCAH. 

Para participar da ação, basta doar roupas, calçados ou cobertas, novas ou usadas, no ponto de coleta localizado na Praça de Eventos do centro de compras. Outra forma de contribuir é adquirindo camisetas da ARCAH, que estarão à venda no local por R$ 50,00 e cuja renda é revertida para os projetos da ONG.

Aos finais de semana até 2 de agosto, em sessões que acontecem às 15h, 16h, 17h30 e 18h30, o VillaLobos recebe ainda uma Oficina de Crochê supervisionada por artesãos do projeto 13pompons. Esses profissionais ensinarão o público a fazer peças simples, como cachecóis e mantas de crochê. Os itens produzidos nas aulas também serão destinados à doação para a campanha Rua Sem Frio.

segunda-feira, 27 de julho de 2015

50% dos acidentes de trabalho não entram na estatística brasileira





Engenheira fala sobre o Dia Nacional de Prevenção contra os Acidentes de Trabalho e faz alerta sobre os números e comportamento dos trabalhadores brasileiros.

Nesta segunda-feira, 27 de julho, o Brasil celebra o Dia Nacional de Prevenção dos Acidentes de Trabalho. Segundo o MPT (Ministério Público do Trabalho), a região Sudeste apresenta 90% dos casos no país, porém apenas 50% são devidamente registrados pelas empresas/funcionários, através da abertura da CAT (Comunicação de Acidente de Trabalho), o que pode agravar ainda mais a situação.
Para a engenheira de segurança do trabalho e especialista em riscos industriais, Marcia Ramazzini, a data deve ser um marco com o objetivo de conscientizar sobre a prevenção e gravidade das ocorrências. “Os programas comportamentais desenvolvidos pelas empresas devem começar da alta direção até o chão de fábrica. Se não houver comprometimento, não há resultados”, alerta.
Ainda segundo a engenheira, além das empresas e dos funcionários, o governo e sociedade devem trabalhar em conjunto. “A redução de acidentes só ocorre com a realização de um trabalho entre todos os setores. Cada um deve fazer a sua parte e cumprir corretamente o seu papel”.
Marcia Ramazzini também destaca que as empresas “devem cumprir e fazer cumprir a legislação vigente”. “O governo deve fiscalizar e criar leis e campanhas de conscientização. Já os funcionários devem cumprir as regras visto que são os maiores beneficiados e por fim, a sociedade deve se conscientizar e fiscalizar os órgãos governamentais”, enfatiza.
A construção civil é o setor com maior índice de acidentes. No ranking de lesões, as quedas e ferimentos nos membros superiores (mãos) são os mais frequentes entre os trabalhadores. Já nos casos de óbitos, os registros mostram quedas de grandes alturas e eletricidade como principais motivos.
Caracterizados em dois tipos, atos inseguros - causados por ações inadequadas do próprio funcionário ou condições inseguras - quando ocorre por falta de segurança apropriada no local, geralmente, o acidente acontece em atos rápidos que são realizados cotidianamente. “Acidente é um evento indesejável. Todos acham que nunca irá acontecer. Mas, as lesões podem ou não causar afastamento. Isso se faz conforme a criticidade da ocorrência”.
Além dos danos ligados diretamente ao trabalho, estas ocorrências podem causar complicações na vida pessoal do colaborador. “Quando o funcionário fica afastado, ele não recebe o salário integral e isso causa uma redução do poder aquisitivo familiar, desgaste nas idas ao médico e realização de exames e danos emocionais”, ressalta a engenheira.
Como proceder
Em caso de acidente no trabalho, o local deve ser isolado, o funcionário deve ser encaminhado para o ambulatório da empresa para primeiros socorros e, se necessário, ser levado imediatamente para hospital mais próximo.
Após o acidente, exame médico e perícia, caso seja constatada a necessidade de afastamento, os 30 primeiros dias serão custeados pela empresa e os demais pela Previdência Social, por meio do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social). “Após retornar ao trabalho, o funcionário terá um ano de estabilidade”.
Vale ressaltar que o funcionário que sofre uma lesão pode ser transferido para outra atividade durante o período de recuperação. Desta forma, ele permanece na empresa evitando que fique em casa exposto a outras ações de risco.
Como surgiu a data
O Dia Nacional de Prevenção aos Acidentes de Trabalho foi criado em 1972, pelo ministro Júlio Barata. Neste período o Banco Mundial estava ameaçando cortar empréstimos ao Brasil em virtude dos altos índices de acidente de trabalho. “Após 43 anos continuamos com altos índices de acidentes. O nosso país ocupa o 4º lugar a nível mundial levando-nos a seguinte questão: Porque a prevenção não faz parte do nosso cotidiano? Por que não é prioridade? Evoluímos em muitos aspectos, porém, falta muito para alcançarmos índices satisfatórios”, finaliza Marcia Ramazzini.

DICAS DE LEITURA BY ÁLIDA


Quem ri por último rima melhor
Daniel Medina &Renata Bueno

Novo livro da Editora Moderna traz brincadeiras com provérbios
“Quem ri por último rima melhor” ajudará as crianças a criarem novas possibilidades com as palavras por meio de ditados populares
Os provérbios fazem parte da nossa tradição popular e do nosso cotidiano. São frases e expressões que apresentam um sentido lógico, utilizando o humor e geralmente fáceis de decorar. Quem nunca ouviu, ao fazer algo rapidamente, que “a pressa é a inimiga da perfeição”?  Mas será que é possível reinventar e brincar com os ditados que existem por aí? No livro “Quem ri por último rima melhor”, da Editora Moderna, o leitor vai se desdobar em novas possibilidades.
Nesta divertida obra dos escritores Daniel Medina e Renata Bueno, as palavras não servem somente para referir-se àquilo que costumamos chamar de realidade, mas também para embaralhar a ordem das coisas, criar imagens e surpreender. Que tal falar: “Quem ri por último...é porque está no último lugar da plateia!”? Com estes jogos, as crianças podem estabelecer conexões pouco usuais entre as palavras, desmontar lógicas e abrir espaço para o inusitado.

Um Dálmata Descontrolado
Índigo

Editora Moderna lança livro sobre a relação entre as crianças e os animais. Cão e dono passam por várias  aventuras e atrapalhadas até se entenderem 
Após as divertidas aventuras de Igor em a “Saga Animal” para conseguir um cachorro de estimação, o garoto finalmente ganha o tão sonhado companheiro canino em Um dálmata descontrolado, lançado pela editora Moderna. Conan é um dálmata pra lá de agitado e bagunceio.  Apesar da felicidade em ter um amiguinho de quatro patas, o menino se preocupa com o comportamento do cão, já que sua mãe, a Dona da Casa, não gosta muito de animais e acha a raça arruaceira demais.
Para o cachorro ficar com eles, a Dona da Casa quer que Conan seja adestrado e para isso precisa da ajuda do Seu Barba, namorado da avó de Igor e responsável pelo presente. Seu Barba tem experiência nesse assunto, já treinou vários animais, entre eles um sagui e um touro. 
No decorrer da narrativa os leitores acompanham as atrapalhadas do treinamento em castellano de Conan, que faz questão de se mostrar rebelde, a chegada da gata Valentina e os planos sem pé nem cabeça de Monstro, melhor amigo de Igor.
Evoluir é simples, nós é que complicamos
Manolo Quesada

O escritor Manolo Quesada ensina o que fazer para nos tornarmos pessoas melhores
“Nossa evolução é determinada por nós mesmos,
mas Deus, em sua infinita bondade, nos coloca ao lado
de tantos outros para que possamos amenizar nossa
caminhada e, ao mesmo tempo, oferecer o sol e a sombra
dos nossos momentos.”
Lançamento da Petit Editora, o livro Evoluir é Simples, nós é que complicamos aborda de uma maneira inteligente e tocante o entendimento de que o processo de evolução é para todos. A obra convida o leitor a aceitar os momentos oportunos que a vida oferece e a entender que todas as fases da vida, tanto as boas como as ruins, são necessárias para a evolução do ser humano.
“[...] passamos por diversas fases,
todas necessárias, pois precisamos aproveitar todas as
oportunidades para efetivar em nós todas as coisas
que já temos e que ainda não descobrimos.”
Trazendo no início de cada capítulo fragmentos da Bíblia e pequenas passagens das obras básicas de Allan Kardec, além de outros pensadores, o experiente escritor Manolo Quesada soa como um conselheiro ao abordar temas como reencarnação, superação de desafios, afetividade, alteridade, humildade, contentamento, equilíbrio e muito mais.
Ele propõe ainda uma reflexão que pretende ajudar o leitor a progredir, melhorar e evoluir em sua vida terrena, ressaltando que o mesmo deve considerar a encarnação atual como a mais importante, pois ela foi construída na base das existências passadas de cada um.
 
O planeta dos macacos
Pierre Boulle

Uma das mais importantes obras da cultura pop, originalmente lançada em 1963 e base do roteiro de oito adaptações para o cinema, o livro O planeta dos macacos, do romancista francês Pierre Boulle está sendo lançado pela editora Aleph.
O clássico, que já vendeu milhões de exemplares em todo mundo, recebe uma nova edição, com extras que vão impressionar os mais fiéis fãs: um posfácio do escritor e jornalista Bráulio Tavares, uma entrevista com o autor do romance para revista Cinefantastique, na qual ele comenta as adaptações para o cinema, e uma matéria sobre Pierre Boulle feita pela BBC. 
A história se passa em um futuro não muito distante, apresenta a trajetória de Ulysses, um jornalista que parte com uma tripulação de cientistas para uma missão de descoberta de novos planetas.
Em sua busca, os astronautas pousam em um local muito parecido com a Terra, um lugar repleto de florestas luxuriantes e com clima ameno, um pretenso paraíso, que apesar de muito atrativo, não é o que parece.
A maior diferença entre a Terra e Soros, nome dado ao planeta descoberto, são seus habitantes. Enquanto aqui os seres humanos se desenvolveram, dominaram a natureza e os outros animais, em Soros, os macacos exerceram esse papel, e os homens são animais tão pouco desenvolvidos que mal se comunicam entre si, e servem aos símios como carregadores, cobaias e animais de estimação.
Mesmo com um “quê” de história de entretenimento, na obra, Boulle revisita algumas das questões mais antigas da humanidade: O que define o homem? O que nos diferencia dos animais? Quem são os verdadeiros inimigos da espécie humana? Desde as primeiras páginas até o final surpreendente – ainda mais impactante que a famosa cena final do filme de 1968 –, O planeta dos macacos é um romance de tirar o fôlego e justifica seu lugar entre os clássicos da cultura pop e principalmente da ficção científica.
Labirinto
J. R. Kehl

Todo amante de literatura sabe que um bom livro não se faz com argumentos. Nem com boas histórias. O que diferencia uma história de outra, uma obra de outra, é o estilo da narrativa. O leitor deste livro será conduzido pela mão levíssima de José Renato Kehl através de suas tentativas de sair do labirinto, que é o próprio mistério da nossa existência. O fio de Ariadne, nesse caso, é a história de vida do autor. Faz sentido: qual a sinceridade de uma iniciação espiritual que não se mistura à vida cotidiana do iniciado? José Renato não descreve sua procura pelo sentido da vida desde o ponto de vista de um mestre, mas de um aprendiz reverente aos seus mestres. A começar pelo professor de Tai Chi Chuen, Michel Veber – este sim, um sábio, a cuja memória o livro é dedicado. Mas nenhum mestre possui o segredo do sentido da existência. Se o mundo ruma para a autodestruição, a única saída é encontrar o sentido dentro de si mesmo. Pois o sentido da vida, este permanece incompreensível tanto para o narrador quanto para o leitor. Labirinto não tem a pretensão de desvendar o mistério da vida. Só ajuda o leitor a iluminar a travessia.
Buscando Deus em momentos difíceis
Orações para confortar o coração e fortalecer a alma
Joan Guntzelman

Este é um livro maravilhoso para aqueles que estejam enfrentando qualquer tipo de dificuldade na vida. Respeitoso, porém instigante, apresenta a sabedoria fundamental de que podemos, se assim optarmos, não apenas sobreviver ao sofrimento, mas de fato usá-lo para crescer em amor, compaixão e generosidade.  Ao abrirmos o nosso coração e mente para Deus, ele nos confortará e sustentará nos momentos difíceis da vida.
Buscando Deus em momentos difíceis – orações para confortar o coração e fortalecer o espírito traz cem reflexões para ajudar aqueles que gostariam de buscar uma conexão com Deus. Cada reflexão começa com um ou dois versículos da Bíblia, apresenta uma pequena meditação e finaliza com uma oração. O objetivo da oração é estimular uma conversa particular do leitor com o Senhor. Ao decidir, nos aquietar e entrar na presença de Deus somos capazes de encontrar a força e a coragem de que precisamos para enfrentar as nossas provações.
 
As noites revolucionárias
Restif de La Bretonne
 
Restif de La Bretonne, o espectador noturno, testemunha ocular da Revolução Francesa, faz desfilar aqui diante de nossos olhos os fatos que precederam a tomada da Bastilha até o fim da monarquia. Relatando a comoção popular, La Bretonne, ao intercalar a autobiografia à crônica revolucionária, traça um painel extremamente dinâmico dos acontecimentos que incendiaram as ruas de Paris entre 1789 e 1793.
Quando não testemunhou ele próprio os episódios narrados, tratou de buscá-los em outras fontes. É nesse duplo registro, o factual e a recriação de tom romanesco, que seu talento desponta: entre anedotas e observações pessoais e ficcionais, o autor monta um panorama em que captura com realismo os anseios coletivos, as contradições e o espírito que caracterizaram um dos acontecimentos históricos que mais atordoaram o ordenamento geopolítico mundial.
Se pode soar pretensiosa a premissa de compor num mesmo registro a voluptuosidade dos eventos revolucionários com pequenos dramas fictícios, são justamente estes que imprimem  verossimilhança às Noites revolucionárias. Para La Bretonne, as historietas sentimentais que insere na trama histórica funcionam para “pintar os costumes de uma nação”, nas palavras dele próprio. Assim, a dimensão ficcional contribui para imprimir os contornos da própria fantasia revolucionária, como observa Nicolau Sevcenko na apresentação.
Concebida de forma fragmentária, a obra é uma espécie de continuação de Les nuits de Paris ou le spectateur nocturne, que o autor começara a publicar em volumes a partir de 1788. Os dois últimos, La semaine nocturne [1790] e Nuits de Paris [1794], que se debruçam especificamente sobre o processo revolucionário, formam a presente edição.
Por vezes ambíguo e contraditório, Restif de La Bretonne mirou a noção de fraternidade como sua obsessão máxima. Cabotino do próprio ardor militante, ele nos redesenha o destino de uma nação, de forma ainda mais épica do que contam nossos livros de história.
 
 
O autor Restif de La Bretonne, cujo nome de batismo era Nicolas-Edme Restif, nasce em 23 de outubro de 1734, na região de Yonne, nordeste da França. Passa grande parte da infância no meio rural, até sair para os primeiros estudos instalar-se em 1751 em Auxerre, onde dedica-se à tipografia. Casa-se em 1760 com Agnès Labègue, um matrimônio marcado por turbulências. Começa, nesse período, a dedicar-se à escrita, numa produção bastante vasta nos anos que se seguem, incluindo aí Le pornographe [1769], obra na qual o autor pretende apresentar as ideias de “um homem honesto” sobre a reforma da prostituição. A irrupção da Revolução Francesa quase o arruína, mas lhe dá munição para a feitura de novos livros, entre os quais Le Palais-Royal e As noites revolucionárias. Falece em 3 de fevereiro de 1806, em Paris.
Com os olhos do coração
José Carlos de Lucca

Para José Carlos De Lucca – juiz de direito, professor universitário, escritor, radialista e palestrante requisitado, autor do best-seller Sem medo de ser feliz –, a felicidade no lar encontra-se ao nosso alcance. Para obtê-la, é necessário apenas e tão somente enxergar nossos familiares com outros olhos – Com os olhos do coração...
Essa recomendação, aparentemente tão singela, revela-se grandiosa nas páginas emocionantes deste livro, que toca a alma e sensibiliza a razão.
Quando o amor e o destino se encontram
Izabel Gomes

Numa trama amorosa, onde o amor de posse se registra de uma encarnação à outra, Violeta arquiteta um plano para eliminar a neta e Sofia, a babá, para obter o que deseja.
Sofia tem sonhos constantes que lhe revelam uma linda, porém trágica, história de amor entre um jovem casal que viveu no século 19 em meio à Guerra do Paraguai. Sem compreender o significado desses sonhos, a jovem busca esclarecimentos. “Quando o amor e o destino se encontram” é uma trama dinâmica que envolverá totalmente o leitor, a fim de desvendar os misteriosos sonhos de Sofia. São esses sonhos que vão unir o passado e o presente das pessoas em um desfecho emocionante, mostrando como tudo na vida está interligado.
Coração Sem Fim
Larissa Lúcio de Carvalho

Um romance que ressalta os sentimentos mais profundos vividos pelo ser humano, o conflito que esbarra no contraste do volúvel para o estável. A preocupação das tartarugas marinhas e recifes de corais, a adoção de animais abandonados, temas polêmicos envolvendo dislexia, bipolaridade e bulimia. Tudo dentro de um contexto familiar que se atrela nas relações de amizade, gerando amores platônicos, amores reais e amores doentios.
A Odisseia de Tibor Lobato
Gustavo Rosseb

Depois de perder os pais num terrível incêndio no acampamento cigano onde moravam e passar dois anos num orfanato, Tibor Lobato e sua irmã Sátir são encontrados pela avó e vão morar no seu sítio. Ali fazem amizade com Rurique, um garoto conhecedor das lendas e histórias de assombração do lugar. Durante a quaresma, coisas muito estranhas começam a acontecer na região e seres fantásticos do folclore - como a Mula Sem Cabeça, o Boitatá e a Cuca -, ganham vida e começam a assombrar os habitantes dos Sete Vilarejos. Os três começam a correr perigo quando descobrem segredos que ligam a família dos irmãos a esses seres fantásticos e a um lendário Oitavo Vilarejo. A partir daí inicia-se uma odisseia cheia de magia, que levará os três amigos a reconhecerem e valorizarem virtudes como lealdade, coragem, esperança e amizade.
Origem
J.t Brannan

A pesquisadora científica Evelyn Edwards e sua equipe descobrem um corpo de 40 mil anos enterrado sob a calota polar da Antártida. Mas, quando começam a extrair o corpo do gelo, o sonho se transforma em um horrível pesadelo, quando todos são marcados para a morte por alguém que quer manter enterrado esse segredo. Evelyn mal consegue escapar com vida. Ela pede ajuda a seu ex-marido Matt Adams, antigo membro de uma unidade de elite do governo. Logo eles se veem envolvidos em uma corrida alucinante contra o tempo, que os leva ao Grande Colisor de Hádrons, em Genebra, enquanto tentam desvendar a maior conspiração de todos os tempos, antes que seja tarde demais para a espécie humana. Se a humanidade achava que conhecia suas origens, chegou a hora de repensar tudo, por que todas as crenças estão a ponto de ser questionadas.
Dimensões do cuidar – Uma visão integral
Jean-Yves Leloup e Roberto Crema (Coordenadores)

A presente obra reúne colaboradores empenhados em desenvolver o cuidado como um processo de bem-estar psicossomático, social, ambiental e espiritual. Está é uma tarefa que se estende a todos. Oferece uma visão holística da temática da saúde e do cuidado como resposta à convocação feita há décadas para que todas as pessoas se transformem em agentes cuidadores da vida integral e do planeta.
O colégio Internacional dos Terapeutas (CIT), que congrega terapeutas empenhados na tarefa premente do cuidar do ser, fundamenta-se em 10 princípios, que são: O postulado antropológico; A ética da benção; O silêncio; O estudo; A gratuidade; A reciclagem; O reconhecimento da incompletude; O anamnese essencial; O despertar da presença; A fraternidade.

Participam como autores das reflexões aqui propostas:
Acely G. Hovelacque; Alexandra Reschke; Dulce Magalhães; Fátima Limaverde; Jacques van de Moortele; Jean-Yves Leloup; Kaká Werá; Marco Aurélio Bilibio Carvalho; Marcos Arruda; Moacir Amaral; Regina Stella Quintas Fittipaldi; Roberto Crema; Thierry Genevay.
Vencendo o estresse
Orações para acalmar a alma e fortalecer o espírito
Joan Guntzelman
 
Todos nós lidamos com o estresse na vida e nos debatemos sobre o modo de superá-lo. As breves reflexões e orações deste livro ajudarão você a se voltar para Deus e encontrar a paz necessária para viver de uma maneira serena. Essas reflexões sensibilizarão você quando estiver se sentindo sobrecarregado e oprimido, ajudando-o a reconhecer as causas frequentemente ocultas da sua tensão e exaustão. E, a cada meditação e oração sincera, você chegará mais perto de Deus, fonte de toda a nossa paz. É um amável presente!
Vencendo o estresse - orações para acalmar a alma e fortalecer o espírito pretende nos ajudar a examinar a nossa própria vida e discernir como podemos estar tropeçando em nós mesmos, mesmo quando não temos consciência. Podemos nos surpreender ao discernir quais são as nossas fontes de estresse. Ao ficarmos mais conscientes delas, poderemos achar as nossas reações e formas de enfrentamento úteis em algumas situações e não tão úteis em outras. Poderemos encontrar novas maneiras de administrar o estresse que não havíamos considerado antes e descobrir que o momento de orar é um jeito maravilhoso de crescer em meio às lutas da vida.
O Último Papa
Robert Howells
 
Com base em seu vasto conhecimento da história política e espiritual da Igreja Católica, o historiador Rob Howells examina, a partir de perspectivas religiosas, históricas, psicológicas e científicas, as profecias de São Malaquias, que revela as identidades de 111 papas da Idade Média até o presente, incluindo aquele que será testemunha da ruína da Igreja Católica e é chamado de "Papa do Juízo Final". A eleição de Francisco tem sido anunciada como um novo começo para a instituição sitiada, mas Howells oferece uma interpretação incrivelmente diferente: que Francisco será o último papa da Igreja Católica.
Você Pode Curar s Si Mesmo
Julie Silver

Neste livro prático e inspirador, a Dra. Julie Silver, médica especialista em medicina física e reabilitação da Escola de Medicina de Harvard, lança mão da sua experiência clínica e pessoal, como sobrevivente de um câncer, para condensar uma quantidade incrível de conhecimento sobre alguns princípios básicos que nos ajudam a mobilizar os nossos próprios recursos de cura e elevar o nosso nível de saúde, fazendo-nos sentir física e emocionalmente mais fortes.