Pesquisar Blog Jornal da Mulher

quarta-feira, 22 de abril de 2015

Orientações sobre consumo de sal no Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial



Data é comemorada em 26 de abril

Em 26 de abril é celebrado o Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial. De acordo com a Sociedade Brasileira de Hipertensão, a relação entre pressão arterial (PA) e a quantidade de sódio ingerido é heterogênea, sendo esse fenômeno conhecido como sensibilidade ao sal. Apesar das diferenças individuais, mesmo modestas reduções na quantidade de sal são, em geral, eficientes para controlar a pressão arterial. Tais evidências reforçam a necessidade de orientação a hipertensos e limítrofes quanto aos benefícios da restrição de sódio na dieta.
Segundo a cardiologista Adriana Junqueira, que integra o corpo clínico do Bronstein Medicina Diagnóstica, o excesso provém, em grande parte, dos alimentos processados, já que eles contêm sal na forma de seu princípio ativo, o sódio. A necessidade diária de sódio para os seres humanos é a contida em 5 gramas de cloreto de sódio ou sal de cozinha. O consumo médio do brasileiro corresponde ao dobro do recomendado.
A hipertensão arterial acontece quando os níveis da pressão estão acima de valores de referência para a população geral. Apesar de o valor ótimo de pressão arterial ser de 120x80 mmHg, considera-se alteração de pressão apenas quando essas medidas forem superiores a 140x90mmHg. No caso das crianças, esses números variam de idade para idade e são sempre mais baixos do que a referência nos adultos. “Há muitas crianças hipertensas; a hipertensão arterial não é uma exclusividade dos adultos”, ressalta a médica.
Qualquer indivíduo pode apresentar esporadicamente níveis de pressão arterial altos sem que seja considerado hipertenso. “Somente a manutenção dos valores permanentemente altos em múltiplas medições, em diferentes horários, em várias posições e condições (repouso, sentado ou deitado) caracteriza a hipertensão arterial. A medida da pressão arterial deve ser realizada apenas com aparelhos confiáveis”, afirma Adriana.
A médica dá dicas sobre como diminuir o consumo de sal: retirar o saleiro da mesa; controlar o uso do sal no cozimento; preferir sempre alimentos frescos; substituir o sal por temperos e ervas frescas ou secas (como alho, cebola, salsa e pimenta vermelha); evitar os temperos prontos; temperar a salada de outras formas (com azeite de oliva, limão, vinagre, vinagre balsâmico e ervas, por exemplo). Também fazem parte das dicas evitar sopas prontas e embutidos, conservas salgadas, salgadinhos, frios salgados e queijos gordos. “Não se esqueça também de sempre ler os rótulos dos alimentos e escolher as versões com pouco sódio”, enfatiza a cardiologista.
Ela também sugere que se consumam adoçantes como estévia, sucralose e frutose, já que os mais comuns têm sódio. Para as comidas enlatadas, como milho e palmito em conserva, a dica é remover o excesso de sal deixando-as de molho em água fresca por uma hora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário