Pesquisar este blog

quarta-feira, 29 de abril de 2015

Maternidade e profissão: como aliá-las?




Qual é o melhor momento para engravidar? Esta é uma pergunta que assola a mente da maioria das mulheres que busca a independência, desafios profissionais e boas colocações no mercado de trabalho.
De acordo com dados do IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – em 2013, cerca de 40,4% das mulheres de 25 a 29 anos não tinham filhos, o que representa um aumento de 24% em relação a 2004. No grupo formado por mulheres de 15 a 19 anos, 89,3% não tinham filhos e nas de 45 e 49 anos, 12,5% permaneciam sem filhos.
Considerando as estatísticas acima é possível concluir que o número de mulheres que opta por engravidar mais tarde cresceu, o que mostra uma nova equação de vida dentro de uma sociedade que foi construída sobre bases não focadas na área profissional para as mulheres e sim para a maternidade, o que vem evoluindo constantemente.
A maternidade tem sido adiada pelas mulheres que objetivam crescimento profissional e a conquista do próprio espaço dentro das corporações. Entre os principais medos estão: arruinar uma promoção, ser rebaixada de cargo e perder o espaço conquistado. Por outro lado, torna as mulheres mais fortes, mais sensíveis, profundas, enfim. O trabalho não deve apequenar a mulher, mas fortalecê-la.
É importante lembrar que a gravidez é um direto e um momento muito especial na vida de uma mulher.
Algumas empresas podem não estar estruturalmente preparadas para lidar com esta fase natural da mulher e por isso é importante conhecer seus direitos, inclusive num eventual desconforto que pode culminar até em no âmbito do assédio moral, o que a prejudica no momento de lidar com a intersecção da vida profissional com a pessoal.
Veja algumas dicas de como aliar a maternidade com a vida profissional:
  • Planejamento: em qualquer ocasião a gravidez deve ser planejada, pois trazer uma criança ao mundo é assumir uma responsabilidade vitalícia. Para isso é preciso planejar-se e escolher o melhor momento na vida pessoal e profissional. Um bom planejamento e uma conversa verdadeira são essenciais para a preparação, porém, imprevistos acontecem e não se desespere, pois você terá 8 meses para a preparação.
  • Mudanças: tanto no campo profissional como no pessoal, a gravidez traz mudanças e você deve estar preparada para esta virada. Este é o momento de virar a chave e desempenhar o papel da nova mulher que nascerá junto com seu filho. 
  • Maturidade: ainda hoje algumas mulheres sofrem pressão por parte dos empregadores. Para superar este obstáculo é preciso ter maturidade e posicionar-se com serenidade em qualquer situação de enfrentamento, afinal, há um ser dentro de você, uma prioridade. No calor do dia a dia, isso deve ser sempre lembrado.
  • Diálogo: comunique seus superiores e mostre que nada mudará em relação ao seu rendimento, muito pelo contrário, a gravidez é uma inspiração para mulheres que a desejam, o que consequentemente influencia positivamente na performance do trabalho realizado.
  • Troca de experiências: Não se prive desse direito, mas pense e converse com outras mães executivas para construir sua teia de segurança e por fim, desfrute de todo o processo, mágico e milagroso, porque demanda, e isso é insubstituível e vale muito a pena.
Acima de todas as dúvidas, a gravidez deve ser desejada e não existe uma regra para o momento certo, pois cada mulher possui seu tempo de assumir a maternidade e também tem as mulheres que não desejam por não sentirem-se preparadas. O ideal é que a mulher enfrente com maturidade e seja respeitada por suas escolhas.
Regina Nogueira - coach, consultora empresarial e fundadora da Regina Nogueira Coaching e Consultoria Empresarial 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Como utilizar a Black Friday a favor do seu negócio

O Brasil não está em um de seus melhores momentos e, ultimamente, vive uma insegurança política que vem desaquecendo a economia. No entan...