Pesquisar este blog

terça-feira, 21 de abril de 2015

Cerca de 30% dos casos de infarto têm mulheres como vítima




Estudos afirmam que índice de doenças no coração está crescendo no sexo feminino; rotina estressante no trabalho é uma das principais causas
No mundo mais de 17 milhões de pessoas morrem por ano vítimas de doenças cardiovasculares. Os dados são da Organização Mundial da Saúde (OMS), que relata ainda que esses problemas representem a maior causa de mortes no Brasil, com cerca de 360 mil casos anuais.
De acordo com o cardiologista do HCor – Hospital do Coração, Leopoldo Piegas, as mulheres estão a cada ano mais expostas ao risco, pois cerca de 40% apresentam aumento da cintura abdominal, mais de 20% fumam, 18% são ex-fumantes, 23% têm seus níveis de pressão arterial acima do preconizado e 21% possuem alteração dos níveis de colesterol, além de estarem cada vez mais inseridas no mercado de trabalho e, portanto, acumulam o estresse do trabalho com o dos cuidados da família, comprometendo em muito a qualidade de vida.
As mulheres ganham cada vez mais espaço dentro dessa estatística. Atualmente, cerca de 30% dos casos de infarto têm mulheres como vítimas. Estudos constatam que elas têm uma chance maior de morte depois de instalado o Infarto. No Brasil, mais de 200 mulheres morrem por dia vítimas de infarto, sendo as cardio e cerebrovasculares a principal causa de morte entre elas, chegando a matar seis vezes mais que o câncer de mama, onde temos campanhas já bem estabelecidas.
“O tabagismo, a falta de atividade física regrada, a bebida e alimentos não saudáveis com altos índices de colesterol e gordura, contribuem no entupimento das artérias coronárias. É o cenário perfeito para um infarto ou um derrame”, esclarece Dr. Piegas.
O fato das mulheres possuírem artérias menos calibrosas e, geralmente, desenvolverem a doença coronariana em idades mais avançadas dificultam o tratamento; e, além disso, os sintomas às vezes são mais insidiosos e, portanto, de difícil identificação e diagnóstico.
Risco que aumenta a probabilidade de infarto nas mulheres: a associação da pílula anticoncepcional com o cigarro representa uma das maiores causas de infarto em mulheres jovens, em idade fértil, aumentando o risco delas em até cinco vezes.
 “A combinação do estrogênio semi-sintético com o cigarro pode levar a formação de coágulos nas artérias e veias, interrompendo a irrigação do músculo cardíaco e levando-o ao infarto. Também cresce a chance de doenças vasculares periféricas, como varizes, tromboses e até o AVC (acidente vascular cerebral), conhecido como derrame”, explica o especialista do HCor.
As mulheres têm mais chance de desenvolver doenças cardiovasculares: as mulheres costumam sofrer mais risco de terem problemas cardíacos na maturidade, a partir dos 40 anos, mas principalmente após os 50, quando chegam à menopausa.
A partir desse período, diminui a produção do estrogênio, um protetor da saúde feminina. Fabricados pelo próprio corpo da mulher, produzido pelos ovários, são grandes aliados do coração, porque estimulam a dilatação dos vasos, facilitando o fluxo sanguíneo. Após a menopausa, a proteção hormonal oferecida pelo estrogênio começa a cessar, aumentando as chances de doenças cardiovasculares.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Como utilizar a Black Friday a favor do seu negócio

O Brasil não está em um de seus melhores momentos e, ultimamente, vive uma insegurança política que vem desaquecendo a economia. No entan...