Pesquisar este blog

sexta-feira, 29 de agosto de 2014



Lei Antifumo completa 5 anos com 2,8 mil multas e 99,7% de adesão em SP

1,2 milhão de vistorias foram realizadas pela Vigilância Sanitária Estadual em parceria com o Procon-SP

 

No Dia Nacional de Combate ao Tabagismo (29 de agosto), levantamento da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo aponta que a Lei Antifumo paulista completou cinco anos em vigor no Estado com 99,7% de adesão e 2.854 mil multas aplicadas.

Desde agosto de 2009 a Vigilância Sanitária Estadual, em parceria com o Procon-SP, realizaram 1,2 milhão de inspeções em estabelecimentos comerciais para combater o tabagismo passivo, terceira causa de morte evitável segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde).

As regiões que tiveram maior número de infrações são a capital paulistana, com 847 multas, Baixada Santista (327), Campinas (220), Grande ABC (206) e Franco da Rocha (129).

O ranking das cinco regiões contabiliza 1.729 autuações, o que representa 60,5% do total de multas aplicadas em todo o Estado desde 2009.

Segundo o balanço da Secretaria, uma a cada cinco multas aplicadas nesses cinco anos foram fruto de denúncia da população. As queixas podem ser feitas pelo telefone 0800-771-3541,

 “A lei tem um importante caráter de prevenção e promoção da saúde, garantindo ambientes livres de tabaco. A população paulista entendeu e apoiou, e o resultado se reflete no alto índice de cumprimento pelos estabelecimentos comerciais em todo o Estado”, a diretora da Vigilância Sanitária Estadual, Maria Cristina Megid.

A Lei Antifumo proíbe o consumo de cigarros, cigarilhas, charutos, cachimbos ou de qualquer outro produto fumígeno, derivado ou não do tabaco em locais total ou parcialmente fechados.

O valor da multa por descumprimento à lei é de R$ 1.007, e dobra em caso de reincidência. Na terceira vez, o estabelecimento é interditado por 48 horas, e na quarta o fechamento é por 30 dias.

Dia Nacional de Combate ao Fumo
As novas drogas não podem tirar o foco do combate ao tabaco, alerta especialista
 
Psiquiatras do Congresso do Brasileiro do Cérebro alertam que apesar do surgimento de inúmeras drogas cada vez mais potentes, o tabagismo segue como o maior responsável por mortes evitáveis

De acordo com dados do Ministério da Saúde (Vigitel), o Brasil registrou, nos últimos anos, uma redução de 28% no número de fumantes. Entre os jovens, a queda foi ainda maior e chegou aos 45%.  Entretanto, cerca de 20 milhões de pessoas são dependentes do tabaco, droga que mata 1 pessoa a cada 6 segundos no mundo.

No Dia nacional de Combate ao Fumo (29 de agosto), especialistas do 10º Congresso do Cérebro, Comportamento e Emoções reforçam que o cigarro segue como um grave problema de saúde pública. “Centenas de novas substâncias psicoativas, cada vez mais potentes, surgiram nos últimos quatro anos. No entanto, o cigarro é a droga que mais mata”, alerta Leonardo Paim, psiquiatra do 10º Congresso do Cérebro, em Gramado (RS).
 
Ainda sobre as novas drogas, a psiquiatra Fernanda de Paula Ramos, também palestrante do Congresso do Cérebro 2014, explica que as mais consumidas são os canabinóides e as catinonas sintéticas, chamadas popularmente de “maconha sintética” e de “sais de banho”, respectivamente. Para evidenciar o potencial tóxico dessas substâncias, Fernanda lembra: “Em New Hampshire, nos Estados Unidos, as autoridades locais decretaram, neste mês, estado de emergência devido a 41 casos de overdose por uso de canabinóides sintéticos”.

Economia brasileira se aproxima do crescimento zero

Dados divulgados pelo IBGE superam expectativas pessimistas da FecomercioSP

 
A taxa de crescimento do País deve se aproximar de zero já no terceiro trimestre deste ano. A tendência ficou evidenciada depois que o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou os últimos números do Produto Interno Bruto (PIB) nesta sexta-feira (29). O PIB encolheu 0,6% no segundo trimestre de 2014 em relação ao primeiro trimestre do ano e recuou 0,9% na comparação com o mesmo trimestre de 2013. Em quatro trimestres, o resultado é positivo em 1,4%. No ano, o crescimento é de apenas 0,5%.
A queda supera as expectativas pessimistas da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). Até a divulgação dos últimos dados, a Entidade trabalhava com uma taxa de crescimento entre 0,5% e 1%. A revisão deve trazer esta faixa para algo entre 0% e 0,5%, com o antigo "piso" se tornando o novo "teto".
Entre os setores analisados, o que mais preocupa na comparação do segundo trimestre deste ano com o mesmo período do ano passado é o crescimento de apenas 0,2% do setor de serviços, que era o sustentáculo do atual modelo econômico. Dentro de serviços, o quadro é pior porque, extraindo a parte do governo, o crescimento provavelmente já é zero.
A queda da indústria é bastante relevante, mas já era antecipada por quase todos os analistas. Isso indica que a indústria já passa há tempos por uma redução de seu tamanho e capacidade produtiva, e não há perspectivas de melhoria para o curto e médio prazos. A tendência é de que o crescimento industrial registre taxas negativas também em 2015.
Causa apreensão ainda o fato de que a agropecuária - setor mais produtivo e competitivo do País - apresente crescimento zero em relação ao segundo trimestre do ano passado. Se o Brasil já não contava com a indústria para crescer nos últimos anos, agora não poderá mais contar com o consumo e deverá deixar de contar também com o setor agropecuário.

Preocupação com equipe econômica

A FecomercioSP tem se preocupado bastante com as reações da equipe econômica que se recusa em aceitar o fato de que algo está errado e de que há necessidade de mudança. O discurso de que a crise brasileira é produto da crise internacional, além de falso, não convence nenhum empresário ou investidor. O mundo está acelerando seu crescimento, notadamente com a aceleração do PIB norte-americano, que foi justamente o epicentro da crise em 2008.

 Empresários e investidores, já com confiança bastante reduzida na economia brasileira, ao perceberem que não há claras indicações de que o diagnóstico do governo e das autoridades econômicas para os problemas seja o correto, tendem a manter-se em espera. Se o governo insiste em que está tudo bem, isso indica que não haverá mudanças. O diagnóstico errado implica em prognóstico ineficaz.

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Linha Encanto Avon

Creme para as mãos: tem uma textura cremosa, deixa as mãos bem macias e hidratadas o cheiro é maravilhoso e dura por horas. Está disponível em quatro  opções: Elegância à Flor da Pele (castanha), Sedução à Flor da Pele (amora champagne), Alto Astral à Flor da Pele (chá verde) e Delicadeza à Flor da Pele (flor da algodão).








Óleo para banho: tem o cheiro bem marcante e não deixa a pele com aspecto gorduroso e está disponível nas mesmas opções do creme para as mãos.




Loção Hidratante: tem uma textura leve e de fácil absorção, o cheiro é maravilhoso e se combinado com o óleo de banho fica melhor ainda. Também está disponível nas mesmas opções do creme para as mãos








 

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Diva Tropical





Inspirada nas cores vibrantes, quentes e fascinantes dos países tropicais, a Avon traz ao mercado a nova coleção de maquiagem Diva Tropical - que traduz a sensualidade e o glamour exótico das culturas que possuem esse clima

A tropicalidade nunca esteve tão em alta. O Brasil, assim como outros países do Hemisfério Sul, estão em evidência. Por isso, algumas características que remetem a essas culturas aparecem como tendência na moda: estampas de flores, plantas, frutas, animais e árvores surgem em grafismos modernos nas ruas e passarelas, garantindo looks frescos, criativos e energéticos, típicos da natureza tropical.  
O tema também remete a sensualidade e a força das mulheres que vivem nos países que possuem esse clima, como as brasileiras.

Pensando nisso e aliando as tendências de moda com sua expertise em beleza, a Avon, líder mundial no mercado de cosméticos, lança no Brasil a linha de maquiagem Diva Tropical.

A coleção apresenta embalagens com estampas multicoloridas e produtos em tons vibrantes e intensos para as mulheres antenadas que estão sempre em busca de novidades. Para compor o visual, a linha traz ainda opções de acessórios.

"Diva Tropical traduz a sensualidade, a exuberância e o glamour exótico das mulheres que vivem nos países tropicais. Essa foi a inspiração da Avon para criar essa coleção que homenageia esse clima rodeado de mistério e exotismo. A tradução desse conceito pode ser conferida nos produtos da linha que entregam cores intensas para lábios brilhantes, olhos impactantes, pele cintilante e unhas deslumbrantes", ressalta Cristiane Ligabue, gerente da categoria de Maquiagem da Avon Brasil.
Conheça a linha Diva Tropical:

- Ultra Color Batom FPS 15 - A tecnologia Ultra Color contém micro cápsulas que renovam a cor após a aplicação nos lábios. Confere alta cobertura e cor intensa, além de hidratar e condicionar, pois possui fórmula enriquecida com óleo de amora branca silvestre, vitamina E e ômega 3. Tonalidades: Pink Tropical (cintilante), Pink Diva (cintilante), Lilás Perfeito (cintilante) e Néctar Luminoso (cintilante).

- Ultra Color Brilho Labial - Cor e brilho para lábios sensuais. Tonalidades: Rosa Pink (cremosa), Coral Tropical (cintilante) e Tropicaliente (cintilante).

- Ultra Color Sombra para Olhos  - A tecnologia Ultra Color proporciona cores mais vivas, que duram o dia todo em acabamentos mate e cintilante. Apresenta números que facilitar o passo a passo e as combinações de cores durante a aplicação. Tonalidades: Coleção Ilhabela (Champagne, Ouro, Menta e Safira Azul) e Coleção Tropical (Branco Perolado, Rose, Rosa Pop e Laranja Bronze).

- Delineador Líquido para Olhos - Proporciona traço fino e preciso. Fácil aplicabilidade e cores cintilantes: Azul Água, Azul Marinho e Violeta.

- Máscara Colorida de Intenso Volume para Cílios -   Apresenta benefícios como longa duração (até 10 horas), cílios definidos e destacados, fácil aplicabilidade e remoção. Secagem rápida, não borra ou forma grumos. Aumenta em até 12x o volume dos cílios. Tonalidades: Azul Royal e Violeta Intenso.

- Nail Pró+ Esmaltes 5 em 1 - Fortalecem e protegem as unhas, com alta cobertura e extrabrilho, além de apresentar pincel de fácil aplicação. Contém pó de diamante, queratina, cálcio e gel acrílico para unhas 80% mais resistentes. Tonalidades: Roxo Diva (Cremoso), Laranja Tropical (Cremoso) e Areia Dourada (Cintilante).

- Lenço Tropical Diva. Poliéster. 16,1 x 3,4 cm - Estampa vibrante. Pode ser usado nos cabelos, no pescoço, ao longo do torso, amarrado em bolsas ou como a imaginação mandar.

- Maxicolar, Bracelete e Anel Diva Tropical - Usado em conjunto ou separadas, as peças têm acabamento banhado em ouro envelhecido e aplicação de pedras sintéticas na cor nude. São cheias de bossa e charme para arrematar o look com muito estilo.


Disponibilidade
Todos os produtos estarão disponíveis para o consumidor a partir deste mês e podem ser adquiridos por meio de pedidos feitos diretamente aos revendedores autônomos Avon ou por meio do folheto virtual, disponível em www.folhetoavon.com.br 


Foto: Divulgação

terça-feira, 26 de agosto de 2014


Você pode dizer se o seu filho vai crescer magro ou obeso?

Um vídeo, criado pela ONG Children’s Healthcare of Atlanta, rebobina a vida de Jim... Em uma dramatização chocante, o adulto Jim toma refrigerante, espera em um drive-thru de um fast-food... O bebê Jim é alimentado com batatas fritas, porque esse é “o único alimento que lhe acalma”....

Um viral, que começou a circular recentemente, coloca na nossa tela um personagem obeso, chamado Jim, que é levado às pressas ao hospital por causa de um ataque cardíaco.

O vídeo, criado pela ONG Children’s Healthcare of Atlanta, rebobina a vida de Jim para mostrar como ele acabou sem fôlego em uma maca. Em uma dramatização chocante, o adulto Jim toma refrigerante, espera em um drive-thru de um fast-food... O bebê Jim é alimentado com batatas fritas, porque esse é “o único alimento que lhe acalma”....

No final do filme, enquanto os médicos se preparam para operar Jim, uma mensagem toma conta da tela: "O futuro do seu filho não precisa ser como o de Jim. Ainda há tempo para reverter os hábitos pouco saudáveis que os nossos filhos levam para a vida adulta".

Apesar do tom dramático, a própria ONG faz questão de esclarecer que não fez o vídeo com a intenção de deixar nenhum pai culpado. A intenção é alertar, abrir os olhos e não culpar os pais.

“Nas redes sociais, as discussões sobre o vídeo são fervorosas. Alguns dizem que a ação da ONG é extrema, pois a maioria dos pais não alimenta seus bebês com batatas fritas em seus cadeirões. Outros consideram que o vídeo se destina a incentivar as mães e os pais a incutirem hábitos saudáveis ​​nas crianças desde cedo. Eu considero o vídeo uma oportunidade de discutir o tema além das portas do consultório. Há mais de três décadas travo essa discussão com as famílias quando o assunto é a prevenção e o tratamento da obesidade”, afirma o pediatra e homeopata Moises Chencinski (CRM-SP 36.349), autor do Blog Mama que te faz bem.

 

Obesidade além das portas do consultório

 

Embora a genética desempenhe um papel relevante no peso da criança na idade adulta, existem algumas experiências na infância que as pessoas com IMC (Índice de Massa Corporal) mais baixos têm em comum. É o que defende um  estudo, realizado pela Universidade Cornell, publicado no PLOS ONE.

Conheça essas experiências:

  • Famílias que preparavam refeições com ingredientes frescos;
  • Famílias que faziam atividades físicas, ao ar livre, reunindo todos os membros;
  • Pais que conversavam com as crianças sobre Nutrição;
  • Crianças que tinham um bom número de horas de sono durante a semana;
  • Alguém que preparava uma merenda escolar saudável para as crianças.

 

Já as pessoas com IMC maior compartilhavam as seguintes experiências de infância:

  • Pais que usavam a comida como recompensa ou castigo para as crianças;
  • Pais que restringiam a ingestão de alimentos pelas crianças;
  • Pais e / ou avós eram obesos;
  • Crianças que bebiam mais suco ou refrigerante do que água;
  • Crianças que sofreram bullying dos colegas.

 

Fatores de risco modificáveis

Outro estudo, publicado The Journal Childhood Obesity, aponta que os três fatores de risco mais importantes para a obesidade entre pré-escolares também são modificáveis. São eles: ter uma mãe ou pai com um IMC indicativo de excesso de peso ou obeso, não dormir o suficiente e ter uma alimentação restrita pelos pais para fins de controle de peso.

"Diante do mapeamento de riscos para a obesidade apresentado pelo primeiro estudo, e da possibilidade de uma intervenção efetiva apresentada pelo segundo estudo, podemos concluir que a obesidade na idade adulta pode ser prevenida ainda na infância. Com esses dados em mãos, os pediatras podem se concentrar em convencer os pais a melhorarem o seu próprio estado de saúde, a mudarem a relação de alimentos saudáveis e não saudáveis que ficam disponíveis ao alcance da criança e a incentivarem seus filhos a dormir uma hora mais cedo”, afirma o pediatra.

O segundo estudo baseia-se nos resultados de visitas domiciliares a 329 pares de pais e filhos que faziam parte do STRONG, um programa infantil de pesquisas sobre obesidade e nutrição. Os pesquisadores examinaram 22 variáveis ​​diferentes que poderiam contribuir para a obesidade infantil e descobriram que os três fatores mencionados anteriormente foram os mais significativos para essa previsão, mesmo quando outros 19 fatores foram contabilizados.

“Especificamente, dormir por oito horas ou menos a cada noite foi associado a um risco 2,2 vezes maior de excesso de peso ou obesidade em crianças, ter um pai obeso foi associado com um risco 1,9 vezes maior de sobrepeso ou obesidade nas crianças. As crianças cujos pais restringiam a sua ingestão de alimentos para fins de perda de peso apresentavam 1,75 vezes mais risco de estarem acima do peso ou obesas”, afirma Moises Chencinski.

Força do exemplo

Nesse mesmo sentido, um terceiro estudo, publicado no American Journal of Clinical Nutrition, sugere que os padrões alimentares promovidos em casa são mais relevantes para o desenvolvimento da obesidade infantil do que o consumo de fast food.

Segundo os autores, crianças que consomem mais fast food tendem a ter pais que não têm os meios, o desejo ou o tempo de comprar ou preparar alimentos saudáveis ​​em casa. "Isso é realmente um dos fatores que está impulsionando a obesidade infantil e que precisa ser priorizado em qualquer solução de combate à obesidade”, diz médico, que também é membro do Departamento de Aleitamento Materno da Sociedade de Pediatria de São Paulo.

 


Moises Chencinski (CRM-SP 36.349) - http://www.drmoises.com.br - Email: fale_comigo@doutormoises.com.br -: https://www.facebook.com/tudosobrepediatria -  http://mamaquetefazbem.zip.net/


Confira os impactos do tabaco na saúde de fumantes e não fumantes

Riscos do tabagismo são reforçados por especialistas no Dia Nacional do Combate ao Fumo 

No próximo dia 29, no Dia Nacional do Combate ao Fumo, especialistas em saúde aproveitam a data para alertar a população para os riscos do tabagismo. De acordo com dados recentes da OMS (Organização Mundial da Saúde), cerca de 6 milhões de pessoas são vítimas da substância, sendo que 600 mil delas são fumantes passivos. “As substâncias presentes nos derivados do tabaco são diretamente responsáveis por aproximadamente 50 doenças”, revela a pneumologista do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos (SP), Tânia Pereira Ignacio. 

Entre elas estão enfisema pulmonar, problemas cardiovasculares e inúmeros tipos de câncer. São mais de 4.700 componentes tóxicos como o monóxido de carbono (mesmo gás venenoso que sai do escapamento de automóveis) e a nicotina (droga psicoativa responsável pela dependência física) que também causam infertilidade, halitose e envelhecimento precoce da pele. Em gestantes, o fumo é responsável por abortos múltiplos e episódios de hemorragia, além de problemas na placenta e nascimentos prematuros. O cigarro ainda está relacionado a uma taxa elevada de morte fetal e de recém-nascidos. 

A médica também analisa os problemas que os indivíduos não fumantes enfrentam. Fumantes passivos têm um risco 30% maior de desenvolverem câncer de pulmão e 24% maior de episódios de infarto do coração. Crianças que convivem diretamente com fumantes têm, em maior frequência, doenças respiratórias como asma, bronquite, rinite alérgica e pneumonias. Em bebês, o fumo passivo ainda eleva o risco de morte súbita. “Fumantes passivos também sofrem os efeitos imediatos da chamada poluição tabagística, entre eles irritação nos olhos, cefaleia e aumento de problemas alérgicos, principalmente das vias respiratórias”, afirma a especialista. 

Mas quem deseja se livrar do problema tem algumas sugestões à disposição. Além de buscar ajuda para conscientização dos perigos do tabagismo e adotar novas práticas de comportamento, o indivíduo pode contar medicamentos que contribuem para minimizar os sintomas da síndrome de abstinência da nicotina. Os esquemas terapêuticos podem ser adotados isoladamente ou em combinação. No entanto, antes de adotar qualquer medida, é recomendável acompanhamento médico. 

 

Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos

Rua Borges Lagoa, 1.450 - Vila Clementino, zona sul de São Paulo. 

Trend Report: Estilo Phantom é aposta para primavera e verão 2015

Grife brasileira Lizzy Kahl traz diferentes estampas para o modelo Emar, o famoso sapato salto fantasma








Presente entre celebridades e mulheres antenadas ao mundo fashion, o Phantom é a aposta de estilistas de conceituadas marcas de sapatos no universo da moda, fora e dentro do Brasil. O estilo, conhecido também por salto fantasma, é tendência em estações frias e quentes do ano, tudo depende da estampa e das cores aplicadas na peça.

Pensando em atender ao público feminino que busca a proposta da mulher ousada e sensual, a grife brasileira Lizzy Kahl traz diferentes opções de sapatos em estilo Phantom, que fazem parte da linha Emar, presentes na coleção Sensações. Entre eles estampas Floral Print, Candy Color e até mesmo a pegada das cores básicas que são peças-chaves nos armários de qualquer it girl.

Famosa por seu diferencial a Lizzy Kahl presa pelo conforto e diferencial de cada peça, com estampas desenhadas a mão por estilistas e designers, escolhidas de acordo com o gosto e estilo de cada mulher.

Além disso, a grife integra diferentes conceitos em um único estilo e conta com uma equipe empenhada em pensar em cada detalhe de suas peças. Mari Silva e Giovanna Lenharo assinam a nova coleção da grife, com design exclusivo, aliado a arte plástica de Wania Rodrigues.








segunda-feira, 25 de agosto de 2014


Tiririca: espelho da política brasileira?

 

Gaudêncio Torquato (Estado 24/8/14: A2) bem resumiu o quadro: "A palhaçada chama a atenção pela estética escatológica. Tiririca, de peruca e vestido de branco, parodiando o cantor Roberto Carlos na propaganda do grupo que lidera o processamento de carnes no mundo, espeta bifões, entremeando risadas incontroláveis (e sem nenhum nexo) com estrambólica versão da música O Portão, interpretada pelo Rei: "Eu votei, de novo vou votar, Brasília é o seu lugar". Em 2010, o deputado açambarcou 1,3 milhão de votos embalado por um jingle em que prometia: "Vote no Tiririca, pior do que tá não fica". O profeta acertou na mosca. O quadro político pouco mudou, reformas tão clamadas e prometidas ficaram ao léu e Brasília continuará a ser lugar aprazível para o ex-palhaço, que continua a brincar de circo". Mas, em Brasília, enquanto alguns brincam de circo, outros fazem coisas sérias: são os vigaristas (políticos e agentes econômicos e financeiros inescrupolosos) que desviam o orçamento público para o bolso deles.

Por que somos como somos?  Por que o Brasil é assim?

Tudo começou entre 13 e 14 bilhões de anos, com o Big Bang (a grande explosão germinadora dos planetas e das galáxias). Uma estrela explodiu (era composta de hidrogênio, hélio, carbono, nitrogênio, oxigênio e ferro) e seus elementos formaram o Sol, os planetas, as galáxias e os nossos corpos (veja Punset, Por qué somos como somos, p. 25).  Pode haver outro planeta com seres inteligentes? Sim, se todos esses elementos se combinaram sob as mesmas condições. Todos nós, incluindo o escatológico Tiririca, os demais políticos e a política brasileira, somos frutos dessa explosão germinal.

Mas entre ela e o descobrimento do Brasil ("achamento" diria Vaz de Caminha, em 1.500), sabe-se que nosso território (latino americano) foi invadido (apropriado e explorado) por alguns brancos europeus ibéricos (espanhois e portugueses) da pior qualidade moral e ética que se possa imaginar.

Alguns esquemas conceituais, correspondentes a estereótipos vulgares que nos caracterizam e nos explicam (afirma Darcy Ribeiro, na apresentação do livro A América Latina - Males de origem, de Manoel Bomfim, 2005, p. 12 e ss.), ressaltam [para explicar por que somos como somos] "nossas supostas vicissitudes como o clima tropical, a mistura de raças, a origem portuguesa, a tradição católica, a pobreza e a ignorância de nossos ancestrais e, até, uma imaginária juvenilidade do Brasil [o país é um continente, temos 200 milhões de habitantes etc.].

Todas, no entanto, "são explicações que justificam nosso atraso cumprindo o feio papel de encobrir suas causas verdadeiras; falsas explicações que aí estão desinformando o grosso dos brasileiros (...); mas 'penetrando no nevoeiro das aparências', Manoel Bomfim desmascara o 'parasitismo europeu' como a causa real e efetiva das nossas desgraças (...); aqui se implantou a economia especulativa, tão prodigiosamente lucrativa para os senhores como desgastante e mortal para a força de trabalho nela engajada".

Foi por meio dessa economia, "insensata para nós, mas racionalíssima para nossos exploradores, que nós, latino-americanos, multiplicamos, várias vezes, o montante de matais preciosos existente no mundo. Através dela, ainda, enriquecemos secularmente as metrópoles, exportando gêneros. Tudo isso produzido com o desgaste de milhões de escravos, caçados aqui ou na África por senhores brancos, cristãos e civilizados. 'Algumas centenas de escravos e um chicote', diz Manoel Bomfim, foi a fórmula europeia de enriquecer, no cumprimento do seu alto estilo civilizatório".

O Tiririca (carnaval) e a política espoliativa brasileira (tragédia) tem tudo a ver não só com o Big Bang de bilhões de anos atrás, senão também (e, sobretudo) com a cultura ibérica aqui implantada de forma imoral e aética. A literatura europeia é cega para o fato capital de que "o papel real do homem branco foi o de dizimador genocida de povos, apodrecidos em seus corpos pelas pestes e pragas trazidas pelos europeus. Foi o de queimar milhões de homens no trabalho escravo, como um carvão humano, para produzirem o que não consumiam. Foi o de aliená-los em suas almas, pela perda de suas culturas, sem acesso à cultura dos colonizadores" (Darcy Ribeiro, cit.). Toda essa herança maldita, extrativista e genocida, impregnou a alma das elites que dominaram o Brasil até aqui, que se caracterizam (feitas as ressalvas devidas) pela expropriação, corrupção e violência. As grandes responsáveis pelo nosso atraso, portanto, são essas elites, não o povo que (do alto da sua impotência e ignorância < por falta de escolaridade) está sempre à sua mercê.

 

 

LUIZ FLÁVIO GOMES - jurista e diretor-presidente do Instituto Avante Brasil.
Estou no professorLFG.com.br e no twitter: @professorlfg

Fita laranja e shows no Ibirapuera marcam o Dia de esclerose múltipla

Fita marca o compromisso em disseminar o conceito da esclerose múltipla e levar a conscientização da patologia, além de ajudar as ações da associação

São Paulo, agosto de 2014 – A Associação Brasileira de Esclerose Múltipla (ABEM) preparou um evento especial, no Parque do Ibirapuera, para o Dia Nacional de Conscientização sobre Esclerose Múltipla, comemorado em 30 de agosto. Serão diversos shows, realizados no domingo, 31, das 11 às 16 horas, na Arena de Eventos do Parque do Ibirapuera, com entrada pelo portão 10. Além de um momento de descontração, com shows, haverá equipe para melhor esclarecer a doença, bem como material educativo. Toda a programação está disponível no site da associação: abem.org.br.

Em 2014 a comemoração é especial. Além de mais um esforço para conscientizar a população sobre a patologia que atualmente atinge mais de 30 mil brasileiros, a ABEM comemora seus 30 anos de fundação. Para marcar essa data, a entidade trouxe para o Brasil a Fita Laranja, símbolo da conscientização sobre a Esclerose Múltipla. “O pessoal da ELA tem o balde de gelo, nós, a Fita Laranja”, brinca Camila Spinelli Castro, paciente assistida pela ABEM. “Para nós, é uma forma de disseminar informações sobre a doença e quebrar, de certa forma, o preconceito velado sobre a patologia. Poderemos nos reconhecer pela pequena e simpática fita no peito. Tenho certeza que muitos sorrisos serão trocados neste dia”. O grupo formado pelos associados confeccionaram mais de 4 mil Fitas Laranjas que serão utilizadas para marcar a data. “Assim ganhamos força, chamamos a atenção e multiplicamos conhecimento e informação sobre a esclerose múltipla”, completa Suely Berner, diretora superintendente da ABEM. A Fita Laranja pode ser comprada no site ABEM. O dinheiro arrecadado será destinado integralmente aos serviços oferecidos pelo Centro de Convivência da ABEM.

Curiosidade

Segundo o site Health.com, fitas da consciência provêm de fitas amarelas usadas pela primeira vez como um sinal de solidariedade para com uma mulher cujo marido tinha sido tomado como refém no exterior e, em seguida, durante a Guerra do Golfo como uma expressão do desejo de retorno seguro dos soldados. Com o passar do tempo, a iniciativa foi se expandindo e diversas causas adotaram suas cores.

O que é esclerose múltipla?

De causa ainda desconhecida, a esclerose múltipla é uma doença que atinge adultos jovens e compromete o sistema nervoso central, caracterizada pela desmielinização das proteínas da bainha de mielina, capa de proteção do axônio por onde passam os impulsos nervosos. Esse processo é conhecido pela inflamação crônica e por ser um processo autoimune que pode causar desde problemas momentâneos de visão, falta de equilíbrio até sintomas mais graves, como cegueira e paralisia completa dos membros. É uma das doenças que mais causam a incapacidade de jovens adultos, com idade de 20 a 40 anos, atingindo principalmente mulheres. Fatores ambientais, genéticos e o tabagismo podem influenciar o aparecimento da esclerose múltipla. Embora ainda sem cura, hoje muitos tratamentos utilizados visam a modificar a evolução da doença, minimizando a atividade inflamatória e suas consequências sobre o sistema nervoso e, consequentemente, melhorar a qualidade de vida de seus portadores.

Serviço

Dia Nacional de Conscientização da Esclerose Múltipla

Onde: Arena de Eventos do Parque do Ibirapuera, com entrada pelo portão 10

Quando: 31 de agosto, das 11 às 16 horas. Aberto ao público.


Sobre a ABEM

Com sede na cidade de São Paulo, a Associação Brasileira de Esclerose Múltipla (ABEM), fundada em 1984, é uma instituição filantrópica, sem fins lucrativos, que possui a missão de fornecer melhor qualidade de vida às pessoas que convivem com a doença. Com apoio de equipe multidisciplinar, a instituição auxilia 150 pacientes e realiza mais de 900 atendimentos mensais.

Dia Nacional de Combate ao Fumo

 Pneumologistas prestam atendimento gratuito à população no metrô Brás pela luta contra os prejuízos do cigarro

Em 27 de agosto de 2014, na Estação Brás da linha vermelha do metrô, em São Paulo, das 9h às 16h, a Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia (SPPT) realizará uma prestação de serviços à população em prol da conscientização sobre os malefícios causados pelo cigarro. Em uma tenda, os pneumologistas distribuirão materiais de esclarecimento, além de aplicar questionário de dependência da nicotina e realizar exames de espirometria.
“Sabemos hoje que o tabagismo tem uma prevalência de 15,4% entre os jovens e adultos acima de 15 anos da população brasileira. É uma incidência alta, que trabalhamos para reverter, especialmente por considerar os riscos relacionados ao cigarro, que responde por cerca de 200 mil mortes anuais no Brasil”, explica dr. Oliver Augusto Nascimento, presidente da SPPT.
De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o tabagismo é uma das principais causas de morte evitável no mundo; é responsável por várias doenças como as cardiovasculares, respiratórias obstrutivas crônicas, infecções respiratórias, cânceres, úlceras, impotência sexual e complicações na gravidez.
 A Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) é causada pelo cigarro em 90% dos casos. O seu diagnóstico é feito por meio da espirometria, exame que mede a função pulmonar. Levando em conta que aproximadamente seis milhões de pessoas no Brasil são portadores desta doença, até 88% deles não recebem o diagnóstico, muitas vezes por falta de espirômetro disponível em alguns serviços de saúde.
 “O acesso ao diagnóstico ainda é defasado, por isso a demanda reprimida é muito alta. Tentando superar essa desigualdade, vamos oferecer a espirometria gratuitamente para aqueles que preencherem o questionário e os resultados indiquem grandes chances de possuir a DPOC”, destaca dr. Oliver.

sexta-feira, 22 de agosto de 2014


Vinte e quatro de agosto: o dia é da infância, mas a realidade é nefasta

Cerca de 212 mil crianças e adolescentes encontram-se em situação de trabalho infantil no Estado

 

Dia 24 de agosto comemora-se o Dia da Infância, mas nem tudo é festa na medida em que o País contabiliza aproximadamente 3,5 milhões de brasileiros entre 5 e 17 anos, de acordo com dados da Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílio (PNAD). Tal realidade que assola o Brasil já foi maior, chegando a ser composta por 8,3 milhões na década de 1990.
Segundo pesquisa do Ministério Público do Trabalho no Rio Grande do Sul (MPT-RS), no Estado são 212 mil registros de trabalho infantil – crianças e adolescentes que exercem, mais frequentes, atividades ligadas aos serviços domésticos, seja pela própria família ou terceiros, ao comércio ilegal, principalmente, na região da fronteira Sul, em pequenos estabelecimentos de fundo de quintal, como marcenarias e borracharias, e na agricultura familiar. Há registros ainda de exploração sexual e tráfico, ambos crimes.
– Para ser considerado trabalho infantil precisa existir um sistema de continuidade e isso não precisa ser os sete dias da semana, pode ser dois ou três. A obtenção de lucro também deve estar vinculada, mesmo que seja no serviço doméstico – explica o especialista em Direito do Trabalho, advogado Ricardo Martins Limongi – diretor da Sociedade Limongi Faraco Ferreira Advogados.

Família como empregador

Uma das principais dificuldades enfrentadas no combate ao trabalho infantil é fazer a família entender que é errado dessa mão de obra. Para o advogado, o trabalho no campo ainda é o mais difícil de ser combatido, pois há a cultura do “comigo foi assim” ou “antes trabalhando do que envolvido em coisa ruim”.
De acordo com o especialista em Direito do Trabalho, a principal forma de punição aos exploradores é a repressão e o pagamento de multa e indenizações por dano moral e coletivo. Como em muitos dos casos a família é quem usa da mão de obra infantil essas punições não são efetivas.
– A família ganha dinheiro com os filhos, mesmo que seja pouco e errado. Por isso precisamos oferecer políticas públicas efetivas – afirma.
Uma das maneiras de proporcionar recursos às famílias envolvidas em caso de trabalho infantil é as direcionando as secretarias municipais de Assistência Social, onde podem ser cadastradas em programas como o Bolsa Família. Os adolescentes com mais de 14 anos podem ser inseridos de maneira adequada ao mercado de trabalho, atuando como jovens aprendizes em empresas regularizadas.
Dentre os desafios a serem enfrentados de acordo com Ricardo Limongi estão: acelerar o ritmo de redução; desenvolver estratégias para monitorar as piores formas de trabalho infantil; aprimorar políticas para o campo; municipalizar políticas de prevenção e eliminação, fortalecendo a gestão municipal; Implantar escola em tempo integral atrativa e de qualidade em todos os municípios e desenvolver estratégias de transição escola-trabalho; e aprimorar a inserção de adolescentes na aprendizagem.

 

Fábio Saltiel

Fonte: Meregalli

quarta-feira, 20 de agosto de 2014


28 de agosto- Dia Nacional do Voluntariado

 

O Dia Nacional do Voluntariado – 28 de agosto – foi instituído para reconhecer e destacar as pessoas que doam tempo, trabalho e se empenham para causas de interesse social.

O voluntariado é uma atividade que cresce no Brasil: em 2011, 25% da população brasileira declarou que faz ou já fez trabalho voluntário, enquanto em 2001 eram 18%, segundo pesquisa IBOPE.

A ONG APAF (Associação Paulista de Apoio à Família), que foi fundada em 2004 por pais e amigos da Stance Dual School, apoia famílias em desvantagem social com atendimento psicológico e jurídico, oferece cursos gratuitos de  capacitação para mulheres entrarem no mercado de trabalho e mantém duas creches. A entidade completa dez anos de serviço às mulheres carentes e suas famílias.

Dia Nacional de Combate o fumo

 

Hábito de fumar atinge todos os sistemas do organismo

Primeiro passo para largar é a conscientização sobre os riscos, afirma médico

 

Em 29 de agosto, acontece o Dia Nacional de Combate ao Fumo. O tabagismo é a principal causa de mortes evitáveis no mundo. De acordo com o último relatório divulgado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), o cigarro provoca o óbito de seis milhões de pessoas ao ano. A entidade prevê que se essa tendência continuar o número de pessoas mortas pelo fumo pode chegar a oito milhões em 2030.

Segundo Dr. Bento Carvalho, Clínico Geral do Hospital San Paolo, centro hospitalar localizado na zona norte de São Paulo, para que uma pessoa esteja livre das doenças provocadas pelo tabagismo é necessário uma abstinência de pelo menos 10 anos.

 “As lesões provocadas pelo fumo, principalmente no pulmão, cessam com a parada do hábito. Porém, uma vez que se reinicie, as perdas progridem a partir de onde estavam quando houve a parada”, alerta.

O médico afirma que o primeiro passo para aqueles que desejam abandonar o vício é se conscientizar a respeito dos riscos. “Além do sistema respiratório, os males causados pelo cigarro podem atingir todos os sistemas do organismo. O circulatório pelo depósito de substâncias nas paredes de vasos. O neurológico pela intoxicação causada por mais de 4.700 substâncias do fumo, pela sobrecarga sobre os sistemas excretores e pelas alterações endócrinas, entre outras”, afirmaCarvalho.

As mulheres são as que possuem mais dificuldade em manterem a abstinência, segundo o médico.  “Por diferenças hormonais elas têm mais resistência. Além disso,existe o risco vascular, aumentado pelo uso concomitante de contraceptivos hormonais”.

Um levantamento realizado com 500 pacientes (63% mulheres) do Cratod (Centro de Referência e Tratamento do Álcool, Tabaco e Outras Drogas) de São Paulo mostrou que 47% dos pacientes do sexo masculino já tinham conseguido ficar longos períodos sem fumar (mais de um ano), enquanto entre as mulheres o índice foi de apenas 34%.

 

Hospital San Paolo

Rua Voluntários da Pátria, 2786 – Santana. Tel: (11) 3405-8200 - www.hsanpaolo.com.br

 

terça-feira, 19 de agosto de 2014


Sociedade alerta sobre falta de patologistas no Brasil

Patologias alertam sobre a necessidade de valorização dos  profissionais e possível falta da especialidade no País, devido ao aumento de demanda de exames imprescindíveis para a saúde, como a biópsia

No mês  de agosto é comemorado o Dia do Patologista e em 2014 a data também remete aos 60 anos da Sociedade Brasileira de Patologia (SBP). Responsáveis por identificar os tratamentos mais adequados para os pacientes, os patologistas têm entre suas funções o diagnóstico do câncer, ao definir se o tumor é maligno ou benigno. São também os profissionais que decidem se um órgão é adequado ou não para transplante, além de terem papel protagonista no tratamento dos pacientes transplantados e em doenças inflamatórias e infecciosas.

Para o médico patologista e secretário geral da SBP, Ricardo Artigiani, não faltam patologistas no Brasil neste momento, porém com o aumento do número de alunos nas faculdades de medicina, a preocupação é que os patologistas não acompanhem a demanda. “Sem este profissional, os diagnósticos de diversas doenças não podem ser realizados. O número de patologistas precisa seguir o crescimento de outras especialidades para que não faltem profissionais no futuro. Com o aumento de médicos de outras disciplinas a demanda para os patologistas cresce e a preocupação é que não existam especialistas suficientes, principalmente em lugares longe dos grandes centros urbanos com oferta de exames e médicos”, diz.

Segundo pesquisa do Conselho Federal de Medicina (CFM) e do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp), há 2.006 patologistas no Brasil, o que corresponde a 0,75% do total de médicos. A pediatria, por exemplo, é a especialidade mais numerosa, com 30.112 titulados.

Ainda, para Artigiani, os números demonstram que a adesão à especialidade ainda está longe do ideal. “Falta divulgação da patologia principalmente nas universidades. Os alunos não têm conhecimento profundo sobre o que faz o médico patologista e falta de incentivos na graduação”, comenta.

Sobre o perfil do patologista, a pesquisa aponta discreto predomínio de mulheres (54,54%) e idade média é de 47,69 anos.

sábado, 16 de agosto de 2014

ESTIMULAÇÃO MAGNÉTICA TRANSCRANIANA

 


 
A Estimulação Magnética Transcraniana é uma terapia com base na medição das áreas do cérebro diretamente ligadas aos distúrbios que serão tratados e nas emissões de correntes eletromagnéticas no local, sem uso de anestesia ou sedação. O Conselho Federal de Medicina aprovou seu uso para tratamentos contra depressão e alucinações auditivas residuais porém existem pesquisas em andamento, com excelentes resultados, em patologias como  Mal de Parkinson, dor crônica, transtorno obsessivo compulsivo, tinidos, transtorno bipolar, discinesias, compulsões (jogo, sexo, drogas, compras, autoflagelo), reabilitação após lesões do sistema nervoso central e Síndrome de Tourette.
O sucesso do tratamento está na qualificação do profissional que vai determinar o número de sessões e a carga de estímulos. É ele quem define as áreas do cérebro que vão receber os estímulos eletromagnéticos e em que grau. 
De forma rápida, o paciente (sem sedação ou outro tipo de anestesia) tem o cérebro medido e determina-se, nesta medição, os lugares onde ele vai receber os pulsos magnéticos. Uma bobina (um aparelho em forma de borboleta) é posicionada nesta região e ele recebe os pulsos. É como se estivessem tocando a sua cabeça de forma firme. Não tem dor, desconforto ou efeito colateral. O protocolo para depressão (tratamento aprovado no Brasil pelo CFM) é de 4 a 6 semanas com cinco sessões por semana, com duração de até 35 minutos. Os pacientes permanecem acordados, reclinados numa cadeira relaxante e podem interagir com o médico, caso necessário. Logo após a sessão não existe nenhum tipo de alteração do estado de consciência e o paciente retorna às suas atividades normalmente.
Mas o interessante são os resultados: pacientes que são refratários ao uso de anti-depressivos (não toleram os efeitos colaterais) já começam a sentir resultados leves nas primeiras cinco sessões. Ou seja, diminui o cansaço, a sensação de desânimo etc. Este tratamento é altamente indicado para mulheres grávidas, idosos e pessoas que não respondem ao tratamento convencional com drogas. E, dentre os que usam o medicamento, existe a potencialização dos resultados. Além da máquina, a terapia exige um profissional altamente qualificado para organizar o programa e saber exatamente em quais áreas do cérebro deve trabalhar
No Rio de Janeiro, o Neurohealth é o único Centro de Métodos Biológicos em Psiquiatria a ter esta máquina. Com direção dos psiquiatras Julieta Guevara e Jiosef Fainberg, o Centro é pioneiro no uso do tratamento contra depressão e referência na técnica de EMT. Em São Paulo, desde de 2001 o Hospital das Clínicas já faz uso do aparelho para fins de estudos.

A população feminina é mais suscetível à doença e a idade em que esta se manifesta é acima dos 30 anos (média). Já idosos com mais de 65 anos, quando deprimidos, estão mais sujeitos ao suicídio. Outro fato curioso é que dependentes químicos, de álcool ou fumantes são potenciais pessoas com depressão que usam o vício para mascarar a doença (alguns  estudos comprovam que estes vícios foram adquiridos depois da manifestação da doença). Num estudo realizado na última década, na Europa e Estados Unidos, mostrou que 50% dos pacientes viciados em cocaína adquiriram o hábito para diminuir as dores da depressão ao passo que 20% dos viciados em álcool tiveram a mesma resposta. A depressão significa a ausência de algumas substâncias químicas no cérebro e, em alguns casos, a droga é o gatilho que ativa a liberação desta/destas substâncias.. Outros estudos de cunho social mostram que mulheres em áreas de vulnerabilidade social ou familiar estão mais propensas a desenvolver depressão como em casos de maridos viciados etc. (casos de países como o Brasil onde até a instabilidade social pode afetar a saúde mental das pessoas).

Outro dado importante é que, em países como o nosso, a depressão é mal diagnosticada, o acesso aos tratamentos de saúde mental é difícil, muitas vezes o paciente tem depressão crônica e passa uma vida achando que é normal sentir-se assim. A OMS estima que cerca de mais de 120 milhões de pessoas tenham depressão ou vão ter em algum momento da vida. E enquanto outras áreas da medicina caminham para a cura das mais diversas doenças, a saúde mental ainda sofre estigma e é um assunto tabu. 

O assunto é extremamente interessante se considerarmos os resultados clínicos obtidos em pacientes com depressão e os números da doença no Brasil e no mundo. Estima-se que, em 2030, a depressão será a principal causa de invalidez. 

 Esse tratamento também é recomendável para pacientes que são dependentes de drogas pois ajuda o usuário a conter a fissura e reorganiza o funcionamento cerebral. 
A Estimulação Magnética Transcraniana é uma nova abordagem que busca alcançar a remissão da doença sem os efeitos dos tratamentos convencionais.







1.8 bilhão de pessoas continuam bebendo água potável sem proteção contra a contaminação por fezes

No âmbito do Dia Mundial do Banheiro, a Fundação We Are Water, uma iniciativa da Roca, alerta para a falta de acesso de milhões de pe...